Edições Anteriores
  • Edição 262

  • Edição 261

  • Edição 260

  • Edição 259

  • Edição 258

  • Edição 257

  • Edição 256

  • Edição 255

  • Edição 254

  • Edição 253

  • Edição 252

  • Edição 251

18º DOMINGO DO TEMPO COMUM - ANO B

2 de agosto de 2015

Oferecemos abaixo um subsídio elaborado para auxiliar quem prepara as celebrações litúrgicas dominicais. Além do aprofundamento dos textos bíblicos, indicamos também a sua relação com a vida e o mistério celebrado.


1. Aprofundando os textos bíblicos: Êxodo 16,2-4.12-15; Salmo 78(77); Efésios 4,17.20-24; João 6,24-35

  Jesus começa a proclamar o longo discurso sobre o pão da vida, na sinagoga de Cafarnaum. O seu ensinamento remete ao relato do maná no deserto (Ex 16,1s) e sublinha o novo alimento, que traz a vida plena. A multidão, impelida pela Boa Nova, procura Jesus e o encontra, mas ainda não compreende o sentido mais profundo do sinal do pão. Jesus convida a trabalhar pelo alimento que permanece até a vida eterna. Ele oferece esse alimento, pois Deus Pai o assinalou com seu selo. Assim, a obra essencial de Deus é acreditar em Jesus, o Enviado. Moisés foi instrumento de Deus na realização dos prodígios no deserto. O verdadeiro pão é oferecido por Deus através de Jesus, aquele que desce do céu e dá a vida ao mundo. O encontro com Jesus leva à súplica confiante: Senhor dá-nos sempre desse pão! A mulher samaritana, ao acolher Jesus, implora: Senhor dá-me dessa água, para que eu não tenha mais sede (4,15). Jesus manifesta-se como o pão da vida, o alimento que sacia a fome e a sede para sempre: Quem vem a mim não terá mais fome, e quem crê em mim nunca mais terá sede. A palavra de Deus, revelada em Jesus, o Cristo, alimenta as esperanças prefiguradas no maná: Não são as diversas espécies de frutos que alimentam o ser humano, mas a tua palavra que sustenta aqueles que acreditam em ti (Sb 16,20-28). A adesão a Jesus e aos seus ensinamentos alimenta e sustenta no caminho. A primeira leitura lembra que, em meio às dificuldades da travessia do deserto, o maná sustentou a confiança do povo no Deus que salva. O salmo canta as maravilhas realizadas pelo Senhor, que fez chover sobre eles o maná, para alimentá-los e deu-lhes o trigo do céu. A segunda leitura convida a trilhar o caminho da vida nova em Cristo: Revistam-se do homem novo, criado segundo Deus na justiça e santidade da verdade.

 2. A palavra na vida

A Igreja, ao longo de sua história, sempre teve a preocupação de acudir os necessitados que bateram à sua porta; às vezes, com um método que hoje denominamos assistencialista. Nos últimos tempos, procuramos rever este método direcionando as ações para as causas da miséria em busca de soluções mais duradouras [terra, moradia]. Busca-se não apenas a aquisição de bens mas a consciência da dignidade da pessoa e da sua convivência social.

3. A palavra na celebração

A Palavra de Deus anunciada no evangelho se realiza na partilha do Pão da vida e do Cálice da salvação. Participando da ceia com Jesus assumimos o compromisso de multiplicar gestos de solidariedade e de apoiar as lutas do povo a favor da vida.