Edições Anteriores
  • Edição 262

  • Edição 261

  • Edição 260

  • Edição 259

  • Edição 258

  • Edição 257

  • Edição 256

  • Edição 255

  • Edição 254

  • Edição 253

  • Edição 252

  • Edição 251

SOLENIDADE DA ASSUNÇÃO DE NOSSA SENHORA - ANO B

16 de agosto de 2015

Oferecemos abaixo um subsídio elaborado para auxiliar quem prepara as celebrações litúrgicas dominicais. Além do aprofundamento dos textos bíblicos, indicamos também a sua relação com a vida e o mistério celebrado.


1. Aprofundando os textos bíblicos: Apocalipse 11,19a; 12,1.3-6a.10ab; Salmo 45(44); 1Coríntios 15,20-27a; Lucas 1,39-56

A visita de Maria a Isabel e o seu Cântico pertencem às narrativas da infância de Jesus (Lc 1-2). Maria, solidária com o povo, acolhe a Palavra e celebra com Isabel o mistério da ação do Senhor. A saudação de Maria faz João Batista, o precursor de Jesus, saltar de alegria no ventre de Isabel. Portadora da presença de Deus que visita e traz salvação, Maria é como a arca da aliança (2Sm 6,2-11). Isabel, iluminada pelo Espírito, proclama Maria bendita entre as mulheres e bendito o fruto do seu ventre. Termina exclamando feliz aquela que acreditou, pois o que lhe foi dito da parte do Senhor será cumprido. O Cântico de Maria (1,46-55) lembra especialmente a confiança de Ana (1Sm 2,1-10) e a esperança dos que são fieis a Deus (Sf 2,3; 3,11-13). Maria canta ao Deus Salvador que mostra a força de seu braço, dispersa os soberbos de coração, derruba do trono os poderosos e eleva os humildes; enche de bens os famintos e despede os ricos de mãos vazias. Nesta ação libertadora Deus se revela como misericordioso, fiel às promessas feitas desde Abraão. A primeira leitura apresenta a mulher como símbolo do novo povo libertado e fortalecido pela salvação de Deus revelada em Cristo: Agora realizou-se a salvação, a força e a realeza do nosso Deus, e o poder do seu Cristo. O salmo, na perspectiva cristã, celebra as núpcias da aliança definitiva em Cristo (Ap 19,7; 21,2.9). A segunda leitura exalta Cristo ressuscitado dos mortos como primícias dos que morreram, esperança de ressurreição da humanidade. Ele, por seu mistério pascal, venceu a morte e o pecado para que Deus seja tudo em todos (15,28).

 

2. A palavra na vida

Maria, mãe do Verbo, “exaltada como o mais excelso fruto da redenção” é imagem da Igreja por sua escuta fiel à Palavra e por sua perseverança no seguimento do Filho até a cruz. Diz o Concílio: “nela a Igreja enxerga tudo o que ela própria deseja e espera ver realizado em si mesma”. A grandeza de Maria está em ser discípula do Verbo, é isto o que podemos aprender dela no plano da fé. 

3. A palavra na celebração

Nesta celebração damos graças a Deus, com a Bem-aventurada Virgem Maria, cantando as maravilhas que o Senhor fez por nós e por sua assunção ao céu, que a faz sinal da nova humanidade transformada pelo Espírito do Ressuscitado. Que esta celebração anime a nossa esperança e nos fortaleça enquanto peregrinamos na fé.