Edições Anteriores
  • Edição 262

  • Edição 261

  • Edição 260

  • Edição 259

  • Edição 258

  • Edição 257

  • Edição 256

  • Edição 255

  • Edição 254

  • Edição 253

  • Edição 252

  • Edição 251

21º DOMINGO DO TEMPO COMUM - ANO B

23 de agosto de 2015

Oferecemos abaixo um subsídio elaborado para auxiliar quem prepara as celebrações litúrgicas dominicais. Além do aprofundamento dos textos bíblicos, indicamos também a sua relação com a vida e o mistério celebrado.


1. Aprofundando os textos bíblicos: Josué 24,1-2a.15-18b; Salmo 34(33); Efésios 5,21-32; João 6,60-69

O evangelho mostra que muitos discípulos, após ouvir o longo discurso de Jesus na sinagoga de Cafarnaum (6,22-59), disseram: Esta palavra é dura. Quem consegue escutá-la? A revelação de Jesus, como o alimento que sacia a fome e a sede através da entrega total na cruz, é compreendida somente por aqueles que aderem de forma profunda aos seus ensinamentos. A fé em Jesus é dom oferecido pelo Pai a todos, mas alguns discípulos o abandonam e não andam mais com ele. Os Doze representam o grupo mais próximo de seguidores, que se deixam interpelar pelas palavras e gestos de Jesus. Assim, a pergunta: Vocês também querem ir embora? torna-se motivo da profissão de fé em Jesus, o pão partilhado, e em suas palavras que conduzem à vida plena. A quem iremos, Senhor? Tu tens palavras de vida eterna. Nós cremos firmemente e reconhecemos que tu és o Santo de Deus. Pedro testemunha a adesão da comunidade a Jesus, como o Senhor e o Santo de Deus, expressão que remete ao Cristo de Deus (Lc 9,20), o Ungido, o Consagrado do Pai. Jesus é reconhecido como o Deus vivo, presente na palavra e no pão que saciam o novo povo (cf. Dt 8,3). Na primeira leitura, o povo reunido em Siquém faz memória do Deus libertador e compromete-se a segui-lo com fidelidade: Também nós serviremos ao Senhor, porque ele é o nosso Deus. O salmo é uma ação de graças ao Senhor, que mantém os olhos sobre os justos e os ouvidos atentos ao seu grito de socorro. A segunda leitura propõe a relação de amor entre Cristo e a Igreja, como modelo de todas as demais relações familiares e sociais.

 

2. A palavra na vida

Como os discípulos de Jesus, somos chamados a renovar nossa adesão a Ele, a retomar com redobrada atenção a escuta da sua palavra, deixando-nos moldar por ela, aceitando que ela nos corrija e nos eduque na escola do Senhor.  

 

3. A palavra na celebração 

Participando da eucaristia manifestamos nossa fé e adesão ao Senhor que tem palavra de vida eterna. Que o Espírito torne operosa a Palavra em nossos corações, que nada e ninguém nos desvie do caminho e que busquemos sempre mais a radicalidade evangélica que levou Jesus a suportar o abandono para ser fiel ao amor.