Edições Anteriores
  • Edição 262

  • Edição 261

  • Edição 260

  • Edição 259

  • Edição 258

  • Edição 257

  • Edição 256

  • Edição 255

  • Edição 254

  • Edição 253

  • Edição 252

  • Edição 251

SOLENIDADE DA EPIFANIA DO SENHOR

8 de janeiro de 2017

Oferecemos abaixo um subsídio elaborado para auxiliar quem prepara as celebrações litúrgicas dominicais. Além do aprofundamento dos textos bíblicos,indicamos também a sua relação com a vida e o mistério celebrado.


1. Aprofundando os textos bíblicos: Isaías 60,1-6; Salmo 72(71); Efésios 3,2-3a.5-6; Mateus 2,1-12

Os magos do Oriente buscam encontrar o Rei dos  Judeus, iluminados pela estrela (2,2.7.9.10) que indica o caminho do recém-nascido (Nm 24,17).  Herodes, cercado das lideranças religiosas, rejeita o verdadeiro Rei-Messias e deixa-se guiar pela violência contra a vida inocente (2,16s). A referência a   Belém e à imagem do pastor (2,6) evoca a esperança messiânica (Mq 5,1.3; 2Sm 5,2), que Jesus realizará através do amor compassivo (9,36; 14,14; 15,32). Fora do centro do poder, a estrela voltou a brilhar e encheu de alegria os sábios orientais que encontram o menino e reconhecem a sua realeza. Ao oferecer ouro a Jesus, reconhecem a dignidade do ser humano. O incenso é sinal da participação do ser humano na vida divina. A mirra alivia as dores e cura os males. Os magos, retornando por outro caminho, escolhem Jesus, pobre e indefeso, servidor dos pequeninos (25,31-46). A leitura de Isaías interpela o povo, após o exílio, a reconstruir a cidade e o templo e, sobretudo, a sociedade na fraternidade e justiça. Teus filhos vêm chegando de longe, trazendo ouro e incenso, representando os povos dispersos de volta à Luz. O salmo, expressa a esperança messiânica que se realiza na compaixão de Jesus pelos necessitados e pobres. Na leitura aos Efésios, o mistério revelado indica o eterno plano de salvação em Cristo, projetado por Deus Pai (1,9-10; 2,13-18), que inclui todos os povos, judeus e gentios, à mesma herança.

2. A palavra na vida

A festa da Epifania celebra a encarnação do Verbo em sua manifestação a todos os povos e culturas, colocando fim a toda discriminação. Os magos vêm de longe, seguem o sinal da estrela até encontrar o Menino. Aprendem e ensinam que é preciso driblar o caminho do poder e que é sempre possível encontrar um caminho alternativo, em conformidade com o projeto de Jesus.

3. A palavra na celebração

Nesta celebração damos graças a Deus por ter revelado o mistério do Messias ao mundo inteiro, alargando o horizonte das suas promessas e da sua herança. Ao redor da Palavra e da Ceia não há diferenças, a universalidade da salvação se faz concreta. Que o Espírito, com sua ação operante, liberte-nos  de toda intolerância e nos dê uma conduta digna da festa que celebramos.