Edições Anteriores
  • Edição 263

  • Edição 262

  • Edição 261

  • Edição 260

  • Edição 259

  • Edição 258

  • Edição 257

  • Edição 256

  • Edição 255

  • Edição 254

  • Edição 253

  • Edição 252

6º DOMINGO DO TEMPO COMUM ANO A

12 de fevereiro de 2017

Oferecemos abaixo um subsídio elaborado para auxiliar quem prepara as celebrações litúrgicas dominicais. Além do aprofundamento dos textos bíblicos,indicamos também a sua relação com a vida e o mistério celebrado.


1. Aprofundando os textos bíblicos: Eclesiástico 15,16-21; Salmo 119(118); 1Coríntios 2,6-10; Mateus 5,17-37

A Lei e os Profetas referem-se ao Antigo Testamento (2Mc 15,9; Lc 24,27), completado pelos Escritos [Eclo (Prólogo); Lc 24,44] e que Jesus veio dar pleno cumprimento. A expressão litúrgica amém (Rm 11,36; 1Cor 14,16) aparece no início da frase para evidenciar a autoridade de Jesus (5,18.26; 6,2; 13,17). O compromisso com a justiça (5,6.10.20) é a porta de entrada no Reino de Deus e numa conduta de vida conforme seus critérios (7,21; 18,3; 19,23;23,13). A justiça maior exigida por Jesus, desenvolvida em seis exemplos éticos (5,21-48), ensina a praticar a misericórdia nas relações humanas. O mandamento não matar (Ex 20,13; Dt 5,17) diz respeito à vida e à dignidade dos irmãos. A reconciliação e a justiça é exigência para o seguimento de Jesus (6,12-15; 18,15-35) e verdadeiro culto a Deus (Is 1,10-18; Mq 6,6-8). Não cometer adultério (Ex 20,14; Dt 5,18) requer conversão interior para eliminar as raízes do mal e não desviar-se do caminho reto (Jó 31,7; Pr 6,16-19). Era permitido ao homem repudiar sua mulher com uma carta de divórcio (Dt 24,1-4), mas Jesus mostra que cada um comete adultério no coração. O ensinamento de Jesus coloca homem e mulher em condições de igualdade e convida a retomar o plano original de Deus (19,3-12; Gn 1,27; 2,24), que preserva os valores da família e do matrimônio. O juramento, embora permitido (Nm 5,19-22), podia  motivar a maldade (14,7.9). Por isso, Jesus convida a não jurar e a centrar as relações na verdade e confiança. A leitura do Eclesiástico impele o ser humano a escolher o caminho da vida, proposto nos mandamentos. O salmista suplica o entendimento para observar a Lei do Senhor e guardá-la de todo o coração. Na leitura de 1Coríntios, os cristãos iluminados pelo Espírito compreendem o mistério de Deus revelado em Cristo ressuscitado mediante a sua cruz.

2. A palavra na vida


Somos chamados, no exercício de nossa liberdade, a cumprir a vontade do Senhor através da vivência dos mandamentos divinos. “Deus prometeu permanecer nos corações sinceros e retos e concede, por sua graça, manifestar sua presença que habita em nós” (Oração do dia).

3. A palavra na celebração


Neste domingo recordamos a páscoa de Cristo, na lei do amor, que não conhece limites, que se expressa na eucaristia: memória do amor incondicional de Jesus.