Edições Anteriores
  • Edição 262

  • Edição 261

  • Edição 260

  • Edição 259

  • Edição 258

  • Edição 257

  • Edição 256

  • Edição 255

  • Edição 254

  • Edição 253

  • Edição 252

  • Edição 251

4º DOMINGO DA PÁSCOA - ANO A

7 de maio de 2017

Oferecemos abaixo um subsídio elaborado para auxiliar quem prepara as celebrações litúrgicas dominicais. Além do aprofundamento dos textos bíblicos,indicamos também a sua relação com a vida e o mistério celebrado.



1. Aprofundando os textos bíblicos: Atos 2,14a.36-41; Salmo 23(22); 1Pedro 2,20b-25; João 10,1-10


Jesus contou uma alegoria, de modo especial para as lideranças que não compreendem sua mensagem como no texto anterior (9,40). No redil comunitário, provavelmente um cerco de pedra que protegia o rebanho dos predadores e ladrões, a entrada era permitida somente ao pastor reconhecido pelo porteiro. Jesus alerta: Quem não entra pela porta no redil das ovelhas, mas sobe por outro lugar é ladrão e assaltante. As ovelhas ouvem a voz do pastor que chama pelo nome, sinal de intimidade e familiaridade (20,16; Is 43,1; 49,1). O pastor conduz para fora, caminha à frente e as ovelhas o seguem, porque conhecem sua voz, referência aos discípulos que acolhem Jesus e seus ensinamentos. A expressão “Sou eu a porta das ovelhas” enfatiza o ministério de Jesus como aquele que dá acesso ao Pai e faz viver em sua comunhão filial.


Quem entra e sai, passando pela “porta”, que é Jesus, encontra pastagem, alimento na missão a serviço do evangelho. Jesus retoma a crítica dos profetas contra os maus pastores, que abandonam e exploram o povo sofrido (Jr 23,1-4; Ez 34,1-10). Ele vem para salvar (3,17) e para que todos tenham vida em abundância (10,10), manifestando-se como o bom Pastor que dá sua vida pelas ovelhas (10,11.17-18).


Na leitura dos Atos, Deus constituiu Senhor e Cristo a Jesus crucificado. O batismo é sinal de adesão a Jesus e de pertença ao novo povo que inclui também os não judeus, destinatários da promessa do Espírito Santo.


A confiança do salmista na solicitude do Senhor que faz repousar, restaurando a vida plenamente, é retomada pelos cristãos (Jo 10; Ap 7,17).


A leitura de 1Pedro é um hino que relaciona Cristo à imagem do Servo Sofredor (Is 52,13–53,12) e seu exemplo move a seguir seus passos no caminho da vida nova: Éreis como  ovelhas desgarradas, mas agora retornastes ao pastor e guardião de vossas vidas.


2. A Palavra na vida

O Pastor é um ícone da fé pascal, cuja atitude está na base de todo e qualquer serviço prestado a Igreja, desde os menores até aos que implicam maior responsabilidade, importando sempre a gratuidade do dom, a obediência à Palavra, a dedicação ao reino.


3. A Palavra na celebração

Comungando do Pão da Vida na mesa da Palavra e da Eucaristia, “o rebanho possa atingir, apesar de sua fraqueza, a fortaleza do Pastor” (Oração do dia).