Edições Anteriores
  • Edição 262

  • Edição 261

  • Edição 260

  • Edição 259

  • Edição 258

  • Edição 257

  • Edição 256

  • Edição 255

  • Edição 254

  • Edição 253

  • Edição 252

  • Edição 251

TRANSFIGURAÇÃO DO SENHOR

6 de agosto de 2017



1. Chegada
Cantos de Taizé:

Jesus de todos salvador tua luz revela o esplendor do pai nós te cantamos, bendizendo o teu amor.

2. Canto de abertura

Procissão, com a cruz e o livro da Palavra. Canto - CD Paulus, festas IV:. Vimos aqui,  faixa 1. ODC: Salmo 84, refrão 2, p. 98- 100.

3. Sinal da cruz e saudação 

Em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo. Amém.

A graça e a  paz do Senhor Jesus estejam com vocês.

Bendito seja Deus que nos reuniu no amor de Cristo.

4. Sentido da celebração

O(a) animador(a), ou quem preside, com breves palavras, introduz o sentido do domingo:

Celebrando o mistério da transfiguração de Jesus diante dos discípulos, em momento crucial do caminho, nós também recebemos a revelação da sua glória e o convite a escutar com mais atenção a sua Palavra.

5. Ato penitencial - CD Paulus, festas II, faixa 16.

Inclinemos o nosso coração, invoquemos a compaixão do Cristo e imploremos sobre nós o seu perdão. [breve silêncio]

- Senhor, tem piedade dos corações arrependidos.

Tem piedade de nós, tem piedade de nós.

- Jesus, tem piedade dos pecadores tão humilhados!

- Senhor, tem piedade intercedendo por nós ao Pai.

Deus de terna compaixão, tenha piedade de nós, dá-nos seu perdão e a sua paz. Amém.

6. Glória - CD Paulus, partes fixas, faixas 9-14.

7. Oração do dia

Oremos ao Senhor... [breve silêncio]

Ó Deus, que na gloriosa transfiguração do teu Filho,

confirmaste os mistérios da fé

pelo testemunho de Moisés e Elias

e manifestaste de modo admirável

a nossa glória de filhos e filhas adotivos,

concede-nos a graça de ouvir a voz do teu Filho amado

e compartilhar da sua herança.

Por Cristo, nosso Senhor! Amém.

8. primeira leitura Daniel 7,9-10.13-14

9. Salmo responsorial 97(96)

CD Paulus, festas IV: Deus é rei, faixa 2.

10. Segunda leitura 2Pedro 1,16-19

11. Aclamação - CD Paulus, festas IV, faixa 3

Aleluia. Eis meu filho muito amado, nele está meu bem querer. Escutai-o todos vós.

12. Evangelho

Mateus 17,1-9

13. Homilia

Para ajuda na preparação da homilia:

Mateus liga o relato da transfiguração à confissão de Pedro, na Cena da Cesareia, do mesmo modo que associou o batismo de Jesus as provações que enfrentou no deserto. A transfiguração é experiência mística de três discípulos que Jesus escolheu para compartilhar sua intimidade com o Pai. É uma visão que os discípulos tem. Eles é que são chamados a transformar a sua visão sobre Jesus.  A cena tem como pano de fundo a experiência do êxodo, no qual Deus descia sobre a tenda e Moisés ficava com o rosto luminoso [Ex 34,29]. Como na manifestação do Jordão os discípulos escutam a voz do Pai “Este é meu Filho amado”. A cena começa centrada em Jesus mas acaba revelando o jeito de ser de Deus, que se aproxima de nós como amigo. A partir desta experiência Jesus se dedica à obra de formação da fé dos discípulos. A voz que os discípulos agora devem ouvir é a de Jesus, o Verbo do Pai.

 

2. Padre Adroaldo:

 O “mistério de Deus” sempre nos supera. Parece que Ele se faz menos acessível pelos caminhos da razão. É na vida pessoal ou coletiva onde Deus se revela presente e manifesta sua Voz. Esta foi a experiência do povo de Israel; esta foi a experiência do próprio Jesus e dos seus primeiros discípulos.

 Mateus, no seu relato da Transfiguração, quer transmitir algo da experiência original de poder conhecer a Jesus de uma “outra” maneira e usa expressões intensas: “alta montanha”, “seu rosto brilhou como sol”, “suas vestes ficaram brancas como a luz”, “Moisés e Elias, conversando com Jesus”, “uma nuvem luminosa os cobriu”, e uma “voz”, saindo da nuvem, revelou a verdadeira identidade d’Ele: “Este é meu Filho amado, escutai-o”. São expressões vigorosas que comunicam a emoção de haver descoberto o “outro rosto” de um amigo. 

O Evangelho de hoje nos propõe precisamente isso: uma atenção desperta capaz de detectar o pulsar da vida e a presença do Senhor que a habita; uma teimosa convicção de que toda realidade esconde em suas entranhas o poder de resplandecer, de “revelar-se outra”; e uma escuta expectante que nos permite ouvir, em meio o alvoroço de tantas vozes, a Voz que se dirige a cada um de nós e nos sussurra as palavras que possuem o poder de transfigurar-nos: “Tu és meu(minha) filho(a) amado(a)”.

A experiência da Transfiguração é isso: Deus entra no nosso espaço vital, no meio daqueles movimentos difíceis e repetitivos e nos faz deslocar para o alto da montanha. Exatamente ali, naquela visão tão ampla, acontece algo novo. Aqui não estamos no templo, nem num dia sagrado. 

No grande silêncio da natureza, ouviremos o sussurro de Sua voz, e nos daremos conta d’Aquele que está passando, pois desde sempre já nos viu, nos conheceu, nos amou e nos escolheu.

Aquela Voz amplia nossos olhos, abre nossa mente e alarga o nosso coração. Sentimo-nos chamados pelo nome e compreendemos melhor a nós mesmos; sentimo-nos envolvidos por uma Presença que nos faz únicos e redescobrimos um sentido novo, um significado inimaginável para nossa própria existência. Voz mobilizadora, que nos arranca de nossas tentativas de acomodação (“façamos aqui três tendas...”) e nos faz descer em direção ao vale do compromisso e do serviço.

O olhar e a voz de Deus nos atraem para a verdade da nossa própria vida: mergulhados na Luz, descobriremos a luz e compreenderemos para onde devemos ir. Finalmente, não nos sentiremos mais sozinhos.

 

14. Creio

15. Preces

Invoquemos o nosso Salvador Jesus Cristo, apresentando a ele nossa intercessão

- Ouve-nos, amado Senhor, Jesus.

- Senhor Jesus Cristo, que na transfiguração revelaste a tua glória aos discípulos, anima a tua Igreja que sente medo diante de forças contrárias ao Reino.

- Senhor, Jesus Cristo, que fizeste brilhar o teu rosto sobre Pedro, Tiago e João, ilumina os nossos pastores e as lideranças de todas as Igrejas.

- Ó Cristo que foste exaltado por Deus e recebeste um nome acima de todo o nome, firma na fé todos os que em teu nome promovem a paz no mundo.

Preces espontâneas... Quem preside conclui:

Escuta-nos, ó Pai, por Cristo, nosso Senhor. Amém.

16.  Coleta fraterna

É o momento de trazer donativos ou o dízimo para as necessidades da comunidade.

17. Ação de graças

Terminada a coleta todos/as se levantam, quem preside se aproxima do altar e dá início à ação de graças.

[Se houver comunhão eucarística, antes da ação de graças, os/as ministros/as trazem o pão consagrado para o altar].

Quem preside, canta a oração da página ??? ou faz a oração que segue intercalando com o refrão da assembleia:

O Senhor esteja com vocês.

Ele está no meio de nós!

Demos graças ao Senhor, nosso Deus.

É nosso dever e nossa salvação!

Nós te damos graças Senhor nosso Deus,

por Cristo Jesus, nosso Salvador.

Hoje foi manifestada toda a sua glória

perante as testemunhas que escolheu; 

o seu corpo igual ao nosso, resplandeceu como o sol

para afastar do coração dos discípulos

o escândalo da cruz

e revelar a todos os que nele creem

a vitória da luz em meio às trevas.

Nós te damos muitas graças, te rogamos, ó Senhor.

Com o universo inteiro

nós te bendizemos pela ressurreição de Jesus

que renova todas as coisas,

e nos alegramos pela viva esperança

de participarmos da sua gloriosa transfiguração.

Nós te damos muitas graças, te rogamos, ó Senhor.

Toda a nossa louvação chegue a ti em nome de Jesus,

por quem oramos com as palavras que ele nos ensinou:

Pai nosso... pois vosso é o reino, o poder e a glória para sempre.

18. Abraço da paz

Saudemo-nos, uns aos outros, com o sinal da reconciliação e da paz!

Não havendo comunhão, passa-se daqui, para a oração final (n. 20).

19. Comunhão

Quem preside diz:

Relembrando de Jesus que, muitas vezes, reuniu-se com os seus para comer e beber, revelando que o teu reino havia chegado, nós também nos alegramos com ele nesta mesa.

E tomando nas mãos o pão consagrado, acrescenta:

Quem vem a mim nunca mais terá fome e o que crê em mim nunca mais terá sede. Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo!

Senhor, eu não sou digno(a)...

Canto: CD Paulus, festas IV: Então da nuvem luminosa, faixa, 5.

Silêncio

20. Oração

Ó Deus, que a luz da transfiguração de Jesus, ilumine os nossos passos. Dá-nos abertura de coração para escutar a sua voz, na Palavra da Escritura e nos acontecimentos do nosso cotidiano. Por Cristo, nosso Senhor. Amém.

Comunicações e avisos

21. Bênção

O Deus fonte de luz, que nos deu a alegria de celebrar a memória de Jesus em sua transfiguração, guarde-nos em seu caminho, ele que é Pai e Filho e Espírito Santo. Amém.

A alegria do Senhor seja a nossa força. Vamos em paz e o Senhor nos acompanhe. Graças a Deus.