Edições Anteriores
  • Edição 264

  • Edição 263

  • Edição 262

  • Edição 261

  • Edição 260

  • Edição 259

  • Edição 258

  • Edição 257

  • Edição 256

  • Edição 255

  • Edição 254

  • Edição 253

SOLENIDADE DA ASSUNÇÃO DE MARIA

20 de agosto de 2017

Oferecemos abaixo um subsídio elaborado para auxiliar quem prepara as celebrações litúrgicas dominicais. Além do aprofundamento dos textos bíblicos,indicamos também a sua relação com a vida e o mistério celebrado.


1. Aprofundando os textos bíblicos: Apocalipse 11,19a;12,1.3-6a.10ab. Salmo 45(44); 1Coríntios 15,20-27a; Lucas 1,39-56


Maria, servidora obediente do Senhor (1,38), pôs-se a caminho para visitar Isabel, agraciada também pela gravidez (1,36). A presença de Maria enche toda a casa de alegria, pois como arca da aliança carrega o Filho de Deus portador da paz (2,14). Isabel ficou plena do Espírito Santo e proclama Maria bendita entre as mulheres, porque com ela chega Jesus, bendito fruto, a bênção de Deus para a humanidade. Ela termina exaltando a fé de Maria, modelo  exemplar de discípula: Bem-aventurada aquela que acreditou na palavra do Senhor. Maria, com o Magnificat (1,46-55), engrandece o Deus libertador e misericordioso que realiza maravilhas em favor dos pequenos. O cântico de Maria evoca a ação de Deus em outros hinos: Míriam (Ex 15,19-21), Débora (Jz 5,1-31), Judite (Jt 16,1-17) e de modo especial Ana (1Sm 2,1-10). Maria pertence ao povo humilde e pobre (Sf 3,12) e será aclamada por todos na nova era da salvação, iniciada por Deus mediante seu Filho. O Deus Salvador estende sua misericórdia de geração em geração a todos os que o temem e glorificam seu nome. Realizar proezas com seu braço indica o agir de Deus, especialmente no êxodo (Ex 6,1.6; Sl 118,15-16; At 13,17), que culminou na vida de Jesus (9,51). A fidelidade de Deus à aliança, desde Abraão, revela-se na predileção pelos pequenos e oprimidos. Na leitura do Apocalipse, o sinal da mulher é descrito em oposição ao dragão, referência ao poderio imperial (Dn 7,24). No deserto, Deus prepara o novo povo e o sustenta nas perseguições com a certeza da plenitude de seu Reino em Cristo (Ap 12,10).

No salmo, a filha de Sião escuta, vê e inclina o ouvido para ir ao encontro do Senhor e participar do seu reinado. A leitura primeira carta aos Coríntios  sublinha que Cristo ressuscitou dos mortos como primícias e sua obra culminará quando Deus será tudo em todos (15,28).


2. A palavra na vida

“Glorificada, Maria é sinal de esperança e consolo para o povo de Deus em peregrinação, até que chegue o dia do Senhor” (Lumen Gentium, 68).


3. A palavra na celebração

Ao participar do mistério de Cristo, neste celebração, recebemos de Deus a alegria e a esperança ofertadas aos pobres e aos humildes e fiel ao Deus.