24 de janeiro de 2021

1. Aprofundando os textos bíblicos:
Jonas 3,1- 5.10; Salmo 25(24); 1Coríntios 7,29-31; Marcos 1,14-20

Jesus começa seu ministério proclamando o Evangelho de Deus na “Galileia dos gentios”, região
marginalizada. “Completou-se o tempo” da salvação (o kairós). O Reino de Deus instaurado em Jesus não consiste na restauração do poderoso reinado de Davi, mas num mundo novo onde prevalece a paz, fruto da justiça.
Para entrar neste reino, é preciso mudar a visão e adotar ações novas. “Crer no Evangelho” mostra a
relação entre a pregação de Jesus e a fé pós-pascal. A fé e a participação ativa no Reino de Deus podem ser
percebidas na adesão dos primeiros discípulos. Diferentemente do costume habitual dos rabinos, Jesus toma
a iniciativa de convocar seus discípulos. Jesus chama pelo nome: Simão Pedro e André, Tiago e João, “duas
duplas de irmãos” que estavam “junto ao mar da Galileia”, ocupados com a importante atividade econômica da pesca. Eles são atraídos pela urgência do Reino de Deus, deixam as redes e Zebedeu no barco com os empregados e seguem Jesus. A profecia de Jonas propõe a conversão frente ao fechamento de muitos após o exílio na Babilônia, e destaca que o amor compassivo e a salvação de Deus são oferecidos a todos os povos. O salmista suplica confiante: “Mostrai-me, ó Senhor, vossos caminhos”, renovando a fé na sua bondade e retidão. A leitura de 1Coríntios ensina a permanecer na espera vigilante da vinda gloriosa de Cristo, enquanto contribuímos na realização definitiva do Reino de Deus.

2. A palavra na vida

A raiz do entusiasmo dos primeiros discípulos está
na pessoa de Jesus e no anúncio da Boa-Nova. Depois
virão as dificuldades, mas, por ora, o que importa é
dizer “sim” e dar o salto de qualidade. É o momento do
primeiro amor. Tudo depois será mais fácil se o início
for marcado pela alegria e pela totalidade da entrega,
sem tantos cálculos.

3. A palavra na celebração

Ao ouvir, hoje, este evangelho em nossa celebração,
muitos e muitas de nós talvez estejamos sentindo o peso
de situações que abalam a vida, ameaçada pela violação
dos direitos humanos e da natureza, e pela avassaladora
pandemia. Que o Espírito anime os nossos corações e
mantenha em nós o fervor espiritual, na resposta ao
chamado e na missão.  

Autoras:

Ir. Neusa Bresiani é Pia Discípula do Divino Mestre, tem especialização em liturgia, é membro da rede Celebra e contribui no serviço da formação litúrgica nas comunidades. Ir. Helena Ghiggi é Pia Discípula do Divino Mestre, mestra em Bíblia e assessora cursos de formação bíblica.  

 

 

 

Related Posts

Deixe uma resposta