Dia do Senhor

29º DOMINGO DO TEMPO COMUM | 21 de outubro de 2018

1. Aprofundando os textos bíblicos: Isaías 53,10-11; Salmo 33(32); Hebreus 4,14-16; Marcos 10,35-45
O evangelho está situado após o terceiro anúncio da paixão (vv.32-34) e mostra que os discípulos ainda não compreendem a missão de Jesus. Querem assegurar lugares de honra, pois esperam que o Cristo seja proclamado o Messias glorioso de Israel. O caminho do discipulado impele a beber o cálice com Jesus, a compartilhar sua paixão que se aproxima (14,36). A imagem do batismo sugere também a participação na morte redentora de Cristo (Rm 6,3). Assim,
o exemplo de Jesus se opõe aos ambiciosos, que desejam os primeiros lugares. Na comunidade de Jesus, Servo sofredor, o poder consiste em servir o Reino de Deus. Os verbos governar e dominar, no v.42, descrevem com ironia, a liderança como poder e status. O Mestre substitui a hierarquia da dominação pelo serviço: Aquele que dentre vós quiser ser grande, seja o vosso servidor; e quem quiser ser o primeiro seja o servo de todos (vv.43-44). O ensinamento de Jesus
fundamenta-se na oferta de sua vida: O Filho do Homem não veio para ser servido, mas para servir e dar a vida em resgate por muitos (v.45). Ele carregou sobre si as dores e os pecados da humanidade, realizando plenamente a missão do Servo (1ª leitura). Deus exalta o justo pela fidelidade à sua vontade. O salmo acentua que o Senhor ama o direito e a justiça e sua graça transborda em toda a terra. Jesus é o sumo sacerdote eminente, capaz de compadecer-se das
fraquezas humanas, pois foi provado em tudo, exceto no pecado (2ª leitura). Permaneçamos firmes na profissão de fé e confiantes na misericórdia divina.

2. Atualizando
Jesus inaugura um mundo novo, onde os primeiros e os maiores são aqueles que servem os outros. Ele continua exercendo seu sacerdócio, solidarizando-se com as nossas fraquezas. Sua presença renova e fortalece nossa ação missionária a serviço da paz, justiça, amor solidário.

3. A palavra de Deus na celebração
A eucaristia é o mais eloquente sinal do serviço de Cristo. A cada celebração fazemos memória de sua entrega: “Eis o meu corpo… eis o meu sangue, dados por vós… Hoje Ele pede de nós a mística do serviço. Que de fato possamos servir sempre de todo o coração, sem reservas para que todos tenham vida.

4. Dicas e sugestões
Na procissão de entrada, valorizar a cruz, sinal da entrega de Jesus. Ela pode ser incensada.

Deixe uma resposta