Jesus prometeu que onde dois ou três estejam reunidos em seu nome, ele estará no meio. Graças ao batismo, todo núcleo familiar, nas suas diferentes configurações, é uma comunidade de fé. Reunida em oração, torna-se sinal da presença do ressuscitado, Ele que tantas vezes se reuniu com os seus discípulos e discípulas, em suas casas como irmão e amigo.

Neste domingo, lembrando a espera de Maria, preparemo-nos para a novidade de Deus que chega para nós neste natal.

Levando em conta a impossibilidade de celebrações presenciais, a Revista de Liturgia, oferece um roteiro simples, para possibilitar que o domingo seja celebrado na pequena comunidade de fé em cada casa.

Preparação para celebração: Prepare um espaço com cadeiras em círculo, e no centro coloque a coroa do advento,
com quatro velas, preparada antecipadamente. A pessoa que vai presidir começa a celebração com os versos da abertura.
 

  1. ABERTURA

Quem preside canta, os demais repetem fazendo o sinal da cruz enquanto canta o primeiro verso:
Vem, ó Deus da vida, vem nos ajudar! (bis)
Vem, não demores mais, vem nos libertar! (bis)
Glória ao Pai e ao Filho e ao Santo Espírito; (bis)
Glória à Trindade Santa, glória ao Deus bendito. (bis)
Aleluia irmãs, aleluia irmãos. [bis]
Nosso Senhor vem vindo, a Deus louvação. [bis]
Em pé, vigilantes, juntos na oração, (bis)
Vamos ao seu encontro, lâmpadas nas mãos! (bis)

2. ACENDIMENTO
Quem preside convida para o acendimento:
Acendemos a vela neste último domingo antes do natal, para reacender em nossos corações a alegria do natal do Filho de Deus em nosso mundo.
Alguém acende a quarta vela da coroa e em seguida reza em atitude orante faz a oração:
Ó Cristo, desejado de todos os corações, tu és o Emanuel, o Deus-conosco! Bendito sejas pela claridade da tua luz que ilumina os nossos passos e nos faz enxergar o tempo da tua visita entre nós. A ti que eras, que és e que vens, nosso louvor para sempre! Amém.

  1. RECORDAÇÃO DA VIDA
    Lembrando a espera de Maria, preparemo-nos para a novidade de Deus que chega para nós neste natal. Bendigamos o Pai pela manifestação do seu Filho em nossa carne, fazendo com que toda a humanidade entre no dinamismo do seu amor e da sua fidelidade.
    Quem coordena convida as pessoas a recordarem a semana que passou, e a identificarem os sinais da sua vinda entre nós.
  1. SALMO 85(84)
    O Senhor vem tão certo como a aurora, que estejamos com nossos ouvidos e corações atentos para ouvir a sua voz e reconhecer a sua presença em cada pessoa que encontramos, nos acontecimentos do nosso cotidiano e da vida do povo.

Das alturas orvalhem os céus
e as nuvens, que chovam justiça,
que a terra se abra ao amor
e germine o Deus Salvador
.

Foste amigo, antigamente,
Desta terra que amaste,
Deste povo que escolheste;
Sua sorte melhoraste,
Perdoaste seus pecados,
Tua raiva acalmaste.

Escutemos suas palavras,
É de paz que vai falar;
Paz ao Povo, a seus fiéis,
A quem dele se achegar.
Está perto a salvação
E a glória vai voltar.

Eis: Amor, Fidelidade
Vão unidos se encontrar,
Bem assim, Justiça e Paz
Vão beijar-se e se abraçar.
Vai brotar Fidelidade
E Justiça se mostrar.

E virão os benefícios
Do Senhor a abençoar;
E os frutos do amor
Desta terra vão brotar,
A Justiça diante dele
E a Paz o seguirá.

Glória ao Deus do universo,
Ao que vem, glória e amor.
Ao Espírito cantemos;
Sua ternura se mostrou,
Ao Deus vivo celebremos
A alegria do louvor.

5.ORAÇÃO
Derrama, Deus da vida,
em nossos corações, a tua graça, para que,
conhecendo pela anunciação do anjo
a encarnação de Jesus Cristo, teu Filho,
cheguemos, por sua paixão e morte,
à glória da ressurreição.
Por Cristo, nosso Senhor! Amém

6 LEITURA DO EVANGELHO – Lucas 1,39-45

  • Uma pessoa da casa faça pausadamente a leitura:
    Leitura do Evangelho segundo Lucas

    39Naqueles dias, Maria partiu para a região montanhosa, dirigindo-se, apressadamente, a uma cidade da Judéia. 40Entrou na casa de Zacarias e cumprimentou Isabel. 41Quando Isabel ouviu a saudação de Maria, a criança pulou no seu ventre e Isabel ficou cheia do Espírito Santo. 42Com um grande grito, exclamou: ‘Bendita és tu entre as mulheres e bendito é o fruto do teu ventre!’ 43Como posso merecer que a mãe do meu Senhor me venha visitar? 44Logo que a tua saudação chegou aos meus ouvidos, a criança pulou de alegria no meu ventre. 45Bem-aventurada aquela que acreditou, porque será cumprido, o que o Senhor lhe prometeu.’ Palavra da Salvação.
  1. MEDITAÇÃO
    Pode-se fazer uma breve partilha sobre a Palavra proclamada e quem preside lê o
    Lucas, depois de ter narrado as duas anunciações – a de João Batista e a de Jesus -, cruza os dois relatos através deste encontro das duas mães – Isabel e Maria. Ao mesmo tempo, o encontro das duas parentas em sua primeira gravidez torna-se o encontro misterioso entre os dois filhos. João, tal como o profeta Jeremias, chamado antes do nascimento, vibra diante da presença de Jesus.
    Assim como no Primeiro Testamento havia a arca da aliança, Maria é a nova arca da aliança, reconhecida por Isabel como Mãe do Senhor, bendita entre as mulheres, modelo de fé. Também nós, ao mesmo tempo que somos portadores do Verbo como Maria, somos chamados a exultar de alegria como Isabel, a proclamar Maria como portadora da bem-aventurança daqueles que acreditaram.
    É este acolhimento do dom do Espírito e de sua alegria, na simplicidade daqueles que não confiam em mais nada senão na ação do Deus Salvador, que nos insere na caminhada da salvação e nos prepara para o novo Natal de Jesus Cristo.
  2. APÓS A MEDITAÇÃO
    Como o sol nasce da aurora de Maria nascerá
    Aquele que a terra seca em jardim converterá
    O Belém abre teus braços ao pastor que a ti virá.
    Emanuel Deu conosco, vem ao nosso mundo vem,
  3. PRECES
    Invoquemos Jesus Cristo, Verbo encarnado, razão da nossa esperança, cantando:
    Vem, Senhor, Jesus.
    Senhor Jesus Cristo, que pelo mistério da tua encarnação revelaste o rosto do Pai à humanidade, dá-nos vida com tua vinda.
    Tu que és, promessa de paz, vem em socorro da humanidade ferida pelo ódio e pela intolerância.
    Filho de Deus e Filho de Maria, manifesta tua força aos fracos e necessitados, aos famintos e doentes.
    Preces espontâneas… Quem preside conclui:
    Atende-nos, ó Pai, por Cristo Jesus, na unidade do Espírito Santo. Amém.
  4. PAI NOSSO – Quem preside faz o convite:
    Obedientes à palavra de Jesus, sob a inspiração do seu Espírito que ora em nós, rezemos com confiança a oração que ele nos ensinou: Pai nosso…
  5. ORAÇÃO
    Ó Deus, ternura de paz, em Jesus, vieste encontrar o mais profundo de nossa humanidade, e as criaturas todas vibraram com o anúncio de sua chegada. Olha teu povo reunido na espera do natal do Senhor e atende suas preces e pedidos.
    Enche-nos da alegria que expulsa todo o medo,
    renova-nos na disposição e na responsabilidade
    de contribuir para apressar o teu reino.
    Por Cristo, nosso Senhor. Amém.
  6. BÊNÇÃO
    Que a voz de Deus desperte em nossos corações um profundo desejo de comunhão e de escuta. Amém.
    Que disponha na sua paz os nossos dias e nos abençoe, Pai e Filho e Espírito Santo. Amém.

BÊNÇÃO À MESA
Antes de sentar-se à mesa quem preside faz a bênção:
Bendito sejas, Senhor Jesus,
por esta refeição que nos reúne na amizade
e na alegria de preparar o teu natal.
Vem à nossa mesa, fortalece entre nós
os lação de unidade e o desejo da tua Palavra.
Que sejamos como tu, servidores e servidoras do Reino, para a glória do Pai, bendito pelos séculos. Amém.
Quem preside: Dá, Senhor, pão a quem tem fome.
Todos: E fome de justiça a quem tem pão.

Roteiro: Penha Carpanedo, pddm, redatora da Revista de Liturgia e membro da Rede Celebra.

Desenho: Kelly de Oliveira, pddm.

Clique e baixe em seu aparelho celular, tablete ou computador o roteiro e os áudios.

ASSINE A REVISTA DE LITURGIA!

A Revista de Liturgia é um serviço de formação litúrgica destinada ao povo de Deus, especialmente às pessoas que atuam na pastoral litúrgica e nos diversos ministérios dentro da celebração. Traz artigos de excelente conteúdo e de fácil leitura, sobre diversos temas, sempre em sintonia com a pastoral litúrgica da Igreja no Brasil, em função da prática celebrativa das comunidade e da relação liturgia e catequese.

Related Posts

Deixe uma resposta