Celebração da Palavra

RITO DA CELEBRAÇÃO DOMINICAL DA PALAVRA | 14º Domingo do Tempo Comum Ano B

Roteiros de Celebração dominical da Palavra presidida por ministro ou ministra leigo/a. As leituras são tomadas do Lecionário dominical (portanto o que está sugerido aqui pode ser útil também para quem prepara a eucaristia). Para a ação de graças, sugerimos uma oração recitada, mas há versões cantadas. Cf. CD COMEP: Ação de Graças no Dia do Senhor.

Domingo do profeta recusado

Celebramos a páscoa de Jesus Cristo que se manifesta na vida e na luta de pessoas e grupos que são marginalizados por causa da sua opção profética.

1. RITOS INICIAIS

CHEGADA
Enquanto as pessoas vão chegando, o(a) animador(a) do canto vai ensaiando as músicas, sobretudo a parte da assembléia, e o faz de tal maneira que já vai criando um clima de oração. Momentos antes da celebração, a assembléia pode ser convidada a se preparar pelo silêncio ou através de um refrão meditativo, por exemplo: “Onde reina o amor, fraterno amor, onde reina o amor, Deus aí está”. O refrão termina bem baixinho, o silêncio se prolonga e só então se anuncia o canto de abertura.

• CANTO DE ABERTURA E PROCISSÃO
No meio da tua casa, H 3, p. 123; Nós recebemos, Deus, vossa misericórdia, H 3, p. 384.
Entram em procissão os acólitos com o incenso, a cruz e as velas. Também o leitor, com o livro das leituras, e o coordenador ou coordenadora da celebração…

SINAL-DA-CRUZ
• SAUDAÇÃO
C: A paz do Senhor esteja com vocês.
T: O amor de Cristo nos uniu.

• ACOLHIDA, SENTIDO DA CELEBRAÇÃO E RECORDAÇÃO DA VIDA
O(a) animador(a), ou quem preside, com breves palavras, acolhe as pessoas, sobretudo as visitantes.
Introduz o sentido do domingo e convida a assembléia a lembrar fatos que são sinais da páscoa do Senhor, acontecendo hoje em nossa vida, na comunidade, no mundo…

• ATO PENITENCIAL

• HINO DE LOUVOR

• ORAÇÃO INICIAL
Ó Deus, pelo mistério da cruz e ressurreição de teu Filho,
destruíste a morte e fizeste uma nova criação.
Dá a nós, teus filhos e filhas,
a alegria de sermos tuas testemunhas.
Concede-nos a graça de viver e trabalhar sempre pelo teu reino.
Por Cristo, nosso Senhor. Amém.

Ou:

Ó Deus, força dos que sofrem,
tu és o refúgio de todas as pessoas que a ti se confiam.
Escuta as preces desta comunidade aqui reunida.
Dá-nos a graça de estarmos
sempre atentos aos teus sinais
e de sermos surpreendidos por tua palavra.
Os teus projetos sejam para nós alegria,
e aqueles que te buscam sejam nossos irmãos e irmãs.
Por Cristo, nosso Senhor. Amém.

2. LITURGIA DA PALAVRA
As introduções das leituras que seguem, é mais uma ajuda para a equipe que vai preparar a  celebração. Melhor não fazer tais introduções na celebração. Sugerimos que se cante um refrão antes de começar as leituras:

Tua Palavra é lâmpada para meus pés, Senhor.
Lâmpada para meus pés e luz, luz para o meu caminho. (bis)

• 1a LEITURA: Ezequiel 2,2-5
Escutemos o que o Senhor diz ao profeta Ezequiel que vivia em uma comunidade de exilados com dificuldade de entender sua história e os planos de Deus.

• SALMO DE RESPOSTA 123(122) (H 3, p. 156-7)
Apresentemos ao Senhor o sofrimento de todos os oprimidos.

Os nossos olhos estão fitos no Senhor:
tende piedade, ó Senhor, tende piedade!

1. Eu levanto os meus olhos para vós,
que habitais nos altos céus,
como os olhos dos escravos estão fitos
nas mãos do seu Senhor.

2. Como os olhos das escravas estão fitos
nas mãos de sua senhora,
assim os nossos olhos no Senhor,
até de nós ter piedade.

3. Tende piedade, ó Senhor, tende piedade;
já é demais esse desprezo!
Estamos fartos do escárnio dos ricaços
e do desprezo dos soberbos!

• 2ª LEITURA: 2Coríntios 12,7-10
Acolhamos este testemunho do apóstolo Paulo, que nos conta como ele lida com as fragilidades de sua vida na missão e nos anima em nossas próprias dificuldades.

• ACLAMAÇÃO AO EVANGELHO (H 3, p. 224-5)
Aleluia, aleluia, aleluia!
Já se fez carne, o Verbo se encarnou,
a sua tenda entre nós já levantou.
Quem o acolhe, o poder já recebeu
de se tornar e de ser filho de Deus.

• EVANGELHO: Marcos 6,1-6
Jesus se encontra na sinagoga, onde lê e comenta o texto bíblico. Escutemos como Marcos conta a atitude dos conterrâneos de Jesus diante de sua palavra e ação.

– Proclamação do evangelho
Enquanto se canta a aclamação o leitor se desloca para proclamar o evangelho: se inclina diante do altar e reza em silêncio:

Purifica, Senhor, meu coração e meus lábios,
para que eu anuncie dignamente o teu evangelho.

Se o evangeliário estiver sobre o altar, os acólitos tomam as velas e acompanham o trajeto do leitor, levando o livro do altar para a estante. Caso contrário, depois de rezar diante do altar, o leitor, acompanhado pelos acólitos, vai diretamente à estante, abre o livro e saúda a assembléia dizendo:

L: O Senhor esteja com vocês.
T: Ele está no meio de nós.
Fazendo o sinal-da-cruz no livro, na fronte, na boca e no peito, anuncia:
L: Proclamação do evangelho de Jesus Cristo segundo Marcos
T: Glória a vós Senhor.
Incensa o livro, proclama o evangelho e conclui a proclamação, dizendo:
L: Palavra da salvação.
T: Glória a vós, Senhor.
Mostra o livro para a assembleia, que se inclina num gesto de adesão à Palavra.

• PARTILHA DA PALAVRA – dica para a homilia
Os conterrâneos de Jesus esperavam um messias grande e forte, não podiam imaginá-lo com mãos de artesão, residente na pequena cidade de Nazaré, filho de Maria. A recusa dos contemporâneos de Jesus, condicionados por categorias humanas (profissão, parentesco…), é um pretexto para não mudar de procedimento diante do que se revela em Jesus. Jesus ficou admirado com a falta de fé dos seus contemporâneos e não realizou milagres, pois estes são decorrentes da fé.
A palavra de Jesus, neste domingo, nos convida a não depositarmos nossa confiança nos que chegam com aparência de grandeza. Porque somos pobres podemos pensar que o rico vai superar a nossa fraqueza. Jesus nos ensina a não ter medo de nossa fraqueza. Na sua trajetória, o fracasso mais absoluto se transforma em vitória e ressurreição. Como Paulo (na segunda leitura) podemos descobrir que a nossa força pode estar escondida em nossa própria fraqueza.
Jesus de Nazaré foi motivo de escândalo para os que o viram só com olhos humanos. A quem não quer crer, ele nada revela. Mas a nós, reunidos na fé, ele se revela em toda a profundidade. A celebração é momento de assumir diante de Deus as nossas fragilidades, acreditando que só o que é assumido, pode ser transformado.

• PROFISSÃO DE FÉ

• PRECES

C: Irmãos e irmãs, Jesus intercede agora por todo o seu povo junto do Pai.
Vamos nos unir à sua prece, dizendo:

T: Escuta-nos, Senhor.

– Realiza tua promessa de paz a todos os povos, que se acabem os conflitos entre nações, que não haja discórdia nas famílias.
– Envia a força renovadora do teu Espírito sobre todas as Igrejas cristãs, para que testemunhem no mundo a alegria da ressurreição.
– Ouve, Senhor, o clamor do teu povo que sofre a humilhação do desemprego e da miséria.
– Liberta os prisioneiros, restitui a luz aos cegos, acolhe os órfãos e as viúvas.

Preces espontâneas…

C: Deus, nossa força e proteção, atende as nossas preces e guia-nos em teus caminhos. Por Cristo, nosso Senhor. Amém.

3. AÇÃO DE GRAÇAS E RITO DA COMUNHÃO

• COLETA FRATERNA
É o momento de trazer donativos ou oferta em dinheiro para as necessidades da comunidade, enquanto a assembleia canta: Utopia; Quem disse que não somos nada; Os cristãos tinham tudo em comum…

• DA PALAVRA À REFEIÇÃO
O(a) animador(a) convida a assembléia a se aproximar do altar. Vejam em cada domingo o convite para passar “Da palavra à refeição”. Alguém traz o pão consagrado e o coloca sobre o altar. Todos fazem uma breve inclinação.
Demos graças a Deus que se revela na fragilidade do pão. Esta nossa participação no corpo do Senhor é sinal de que queremos compartilhar o seu estilo de vida feito de serviço e de solidariedade, no compromisso da fé.

Vós sois o caminho, a verdade e a vida,
o pão da alegria descido do céu.

• ORAÇÃO DE AÇÃO DE GRAÇAS
O(a) coordenador(a), ocupando o lugar no altar, convida a assembleia para o louvor:

C: O Senhor esteja com vocês!
T: Ele está no meio de nós!
C: Demos graças ao Senhor, nosso Deus!
T: É nosso dever e nossa salvação!

C: Nós te damos graças, ó Deus da vida,
porque neste dia santo de domingo
nos acolhes na comunhão do teu amor
e renovas nossos corações
com a alegria da ressurreição de Jesus.

T: Glória a ti, Senhor, graças e louvor.

C: Esta comunidade aqui reunida
recorda a vitória sobre a morte,
escutando a tua Palavra e repartindo o pão,
na esperança de ver o novo céu e a nova terra,
onde não haverá fome, nem morte, nem dor,
e onde viveremos na plena comunhão do teu amor.

T: Glória a ti, Senhor, graças e louvor.

C: Por este sinal do corpo do teu Filho,
expressamos nosso desejo de corresponder
com mais fidelidade à missão que nos deste
e invocamos sobre nós o teu Espírito.
Apressa o tempo da vinda do teu reino,
e recebe o louvor de todo o universo
e de todas as pessoas que te buscam.

T: Glória a ti, Senhor, graças e louvor.

C: Toda a nossa louvação chegue a ti
em nome de Jesus, por quem oramos
com as palavras que ele nos ensinou:

T: Pai nosso…, pois vosso é o reino,
o poder e a glória para sempre.

• Abraço da paz
A: Irmãos e irmãs, por sua morte e ressurreição, o Cristo nos reconciliou! Neste mesmo gesto, vamos transmitir uns aos outros a alegria da reconciliação, através do abraço da paz!

• RITO DA COMUNHÃO
C: Assim disse Jesus: “Eu sou o pão da vida.
Quem vem a mim nunca mais terá fome
e o que crê em mim nunca mais terá sede”.

Mostrando o pão consagrado:
Eis o Cordeiro de Deus,
aquele que tira o pecado do mundo!

T: Senhor, eu não sou digno(a)…

Partilha do pão consagrado – canto: ver em cada domingo.
Quantas vezes, Senhor, desprezamos, H 3, p. 266-7; Nós te damos muitas graças, ODC, p. 269; Eu vim para que todos tenham vida, H2, p. 142.

– Oração final
Ó Deus, que nos fizeste participar da tua comunhão
por meio de Jesus Cristo, dá-nos sabedoria
para assumir as fragilidades de nossa existência
e a graça de te acolher como força de amor e transformação.
Por Cristo, nosso Senhor. Amém.

4. RITOS FINAIS

• COMUNICAÇÕES
• BÊNÇÃO
C: O Deus da paz, que nos deu a alegria de celebrar este domingo,
guarde-nos em seus caminhos, e nos abençoe,
ele que é Pai, Filho e Espírito Santo. Amém.

A: Vamos em paz e,
ao longo de toda esta semana,
bendigamos ao Senhor.
T: Graças a Deus.

Related Posts

Deixe uma resposta