Celebração da Palavra

CELEBRAÇÃO DOMINICAL DA PALAVRA: SOLENIDADE N.S.JESUS CRISTO REI DO UNIVERSO

O que segue é um Roteiro de Celebração dominical da Palavra presidida por ministro ou ministra leigo/a, mas os elementos podem ser úteis também para preparar a celebração eucarística. As leituras indicadas são do Lecionário dominical. Os comentários das leituras são para ajudar a equipe que prepara, não deve ser usada no momento da celebração. Depois do evangelho há uma pequena meditação para ajudar a quem prepara a homilia. A oração de ação de graças dentro do roteiro é uma proposta recitada. No final deste roteiro há uma versão cantada: a melodia se encontra no CD COMEP, ‘Ação de Graças no Dia do Senhor’. As músicas indicadas para outros momentos da celebração, são do repertório do Hinário Litúrgico, gravado pelas editora Paulus.
Atenção: as breves introduções às leituras bíblicas não são para serem lidas durante a celebração mas apenas para ajudar quem vai preparar a celebração. A CNBB tem recomendado a não fazer comentário às leituras, certamente para focar a atenção na escuta da própria Palavra, que sendo bem proclamadas, dispensam comentários.

Revista de Liturgia Ed 275 – A ação de Graças na Celebração dominical da Palavra

Assinatura Anual Digital

Assinatura Anual Impressa

CRISTO, SENHOR DO UNIVERSO

24 DE NOVEMBRO DE 2019
Último domingo do ano litúrgico

1. CHEGADA – cantos de Taizé
Jesus de todos salvador, tua luz revela o explendor do pai
Nós te cantamos, bendizendo o teu amor.

2. CANTO DE ABERTURA
Procissão, com a cruz e o livro da Palavra. Felizes os pobres reunidos, ODC, p. 285; Felizes os pobres reunidos, H 1, p. 76.

3. SINAL DA CRUZ E SAUDAÇÃO
Em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo. Amém.
A graça e a paz do Senhor Jesus estejam com vocês.
Bendito seja Deus que nos reuniu no amor de Cristo.

4. SENTIDO DA CELEBRAÇÃO
O(a) animador(a), ou quem preside, com breves palavras, introduz o sentido do domingo:
Encerrando o ano litúrgico, aclamamos o Cristo como centro e energia de nossas vidas e de toda história e nos comprometemos com seu projeto de instaurar a verdade e a justiça em todo o universo e de contribuir com uma cultura de paz.
Se for o caso, a equipe ou a própria assembleia pode trazer lembranças dos fatos marcantes da semana, como sinais da páscoa do Cristo na vida do povo.

5. ATO PENITENCIAL
Invoquemos a compaixão do Cristo reconhecido e adorado como rei do universo. [breve silêncio]

Senhor, nossa paz, tem piedade de nós.
Senhor tem piedade de nós.
Cristo, servidor do reino, tem piedade de nós.
Cristo tem piedade de nós.
Senhor, imagem da nova humanidade.
Senhor tem piedade de nós.
Tem compaixão do teu povo, Senhor,
e acolhe agora este nosso hino de louvor.

6. GLÓRIA – CD Paulus, partes ficas, faixas 9-14.

7. ORAÇÃO DO DIA
Oremos ao Senhor… [breve silêncio]

Deus da vida, tu quiseste reunir e reconciliar
toda a tua criação no teu filho Jesus,
a quem proclamamos amigo e servidor dos pobres.
Escuta nossas preces
e concede a todas as criaturas, libertas da escravidão e do mal,
a graça de servir ao teu reino
e glorificar sempre o teu santo nome,
bendito pelos séculos dos séculos. Amém.

8. LEITURAS BÍBLICAS

9. PRIMEIRA LEITURA – 2Samuel 5,1-3
Escutemos como e por que as tribos de Israel escolheram Davi para governá-las.

10. SALMO RESPONSORIAL– 122(121) CD Paulus, Liturgia XII, faixa, 18.
Cantando este salmo, peçamos a paz em nosso mundo e que, juntos, possamos trabalhar para apressar a vinda do reino.

Feliz o povo que o Senhor
escolheu por sua herança.

Que alegria quando ouvi que me disseram:
“Vamos à casa do Senhor!”
E agora nossos pés já se detêm,
Jerusalém, em tuas portas.

Para lá sobem as tribos de Israel,
as tribos do Senhor.
A sede da justiça lá está
e o trono de Davi.

11. SEGUNDA LEITURA– Colossenses 1,12-20
Paulo, prisioneiro, foi informado de que a comunidade de Colossos estava sofrendo influência de doutrinas que colocavam em dúvida o lugar de Jesus Cristo na vida da comunidade. Começa, então, a carta a eles dirigida com este hino de louvor a Cristo.

12. ACLAMAÇÃO AO EVANGELHO
Aleluia, aleluia, aleluia, aleluia!
Sou rei e vim testemunhar
a verdade que vos libertará.

13. PROCLAMAÇÃO DO EVANGELHO – Lucas 23,35-43
O evangelho que vamos ouvir é parte da narração da paixão do Senhor, segundo Lucas. Vamos acolher o que o Senhor nos fala por meio desta palavra. O(a) leitor(a) se dirige se dirige à assembleia com esta saudação:

O Senhor esteja com vocês.
Ele está no meio de nós.

Fazendo o sinal-da-cruz na fronte, na boca e no peito:
Anúncio da boa-nova de Jesus Cristo segundo…
Glória a vós, Senhor.

Proclama o evangelho e no final da leitura conclui dizendo:
Palavra da Salvação.
Glória a vós, Senhor.

Beija o livro e o mostra para a assembleia, que se inclina, num gesto de adesão à Palavra.

14. HOMILIApara quem prepara a homilia:
O tema do reinado de Cristo aparece no evangelho de Lucas, com toda a sua força, nas narrativas da morte de Jesus na cruz, tanto na boca dos soldados que o insultam como no pedido de um dos ladrões para que se lembre dele no seu reino.
Para Lucas, o reino de Cristo se inicia realmente na hora da cruz, e dele participa quem é capaz de se converter e mudar suas opções de vida. Ao contrário do que os soldados pensavam, o reino de Jesus não se manifesta em prodígios incríveis – como seria se Jesus salvasse a si mesmo – mas no seu poder de reconciliar a humanidade com Deus através da cruz, ato supremo do seu amor e serviço aos seus irmãos. O reinado de Jesus é, fundamentalmente, a reconciliação da humanidade com Deus, a humanidade participando da vida de Deus.
Em nossa celebração, proclamamos Jesus como o rei que venceu a violência pelo amor e pela não-violência. Pela força amorosa do Espírito que prolonga na Igreja a sua memória, somos transfigurados de nossas ideias triunfalistas para abraçarmos com toda a ternura do coração a sua vida em nós e a missão que ele nos confia.

15. CREIO

16. PRECES
Oremos ao Cristo, rei do universo, nosso salvador, dizendo:

Escuta-nos, Senhor.
– Cristo, rei do universo, que vieste ao mundo para testemunhar a verdade, sustenta a fé e a luta de todos os que se colocam ao lado dos pequenos e indefesos.
– Ó Cristo, foste enviado ao mundo, não para julgá-lo, mas para que o mundo seja salvo em teu amor, manifesta a tua salvação a todos os que sofrem as consequências negativas de sua própria conduta.
– Ó Cristo, nosso Rei e Pastor, guia em teus caminhos, os peregrinos, os estrangeiros, os refugiados e perseguidos.
Preces espontâneas… Quem preside conclui:
Atende, as nossas preces e guia-nos em teus caminhos, tu que és nosso irmão e nosso Salvador. Amém.

17. COLETA FRATERNA
É o momento de trazer donativos ou o dízimo para as necessidades da comunidade, enquanto a assembleia canta: Tu és o rei dos reis.

18. AÇÃO DE GRAÇAS
Terminada a coleta todos/as se levantam, quem preside se aproxima do altar e dá início à ação de graças.
[Se houver comunhão eucarística, antes da ação de graças, os/as ministros/as trazem o pão consagrado para o altar].

Quem preside, faz a oração intercalando com a assembleia:

O Senhor esteja com vocês.
Ele está no meio de nós!
Demos graças ao Senhor, nosso Deus.
É nosso dever e nossa salvação!

Quem coordena continua, proclamando a oração, intercalando com a assembleia:

Nós te damos graças, ó Deus da vida,
por Jesus, princípio e fim de todas as coisas.
compadecendo-se das fraquezas da humanidade,
tornou-se Senhor do universo, bendito para sempre.
Glória a ti, Senhor, graças e louvor.

Nós te bendizemos porque renovas o universo
com a energia amorosa do teu Espírito.
Convocas toda a criação a se libertar do cativeiro
e a participar da liberdade dos filhos e filhas de Deus.
Glória a ti, Senhor, graças e louvor.

Toda a nossa louvação chegue a ti
em nome de Jesus, por quem oramos
com as palavras que ele nos ensinou:
Pai nosso…, pois vosso é o reino, o poder e a glória para sempre.

19. ABRAÇO DA PAZ
Saudemo-nos, uns aos outros, com o sinal da reconciliação e da paz!
Não havendo comunhão, passa-se daqui, para a oração (n. 20).

20. CONVITE À COMUNHÃO
Quem preside diz:
Relembrando de Jesus que, muitas vezes, reuniu-se com os seus
para comer e beber, revelando que o teu reino havia chegado,
nós também nos alegramos com ele nesta mesa.

E tomando nas mãos o pão consagrado, acrescenta:
Quem vem a mim nunca mais terá fome
e o que crê em mim nunca mais terá sede.
Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo!
Senhor, eu não sou digno(a)…

Canto de comunhão: Venha teu reino, Senhor, ODC, p. 276

21. ORAÇÃO
Senhor, Deus dos pequeninos,
dá-nos o teu Espírito,
para que possamos reconhecer-te presente
nos marginalizados e sofredores.
Enche nossos corações com o mesmo amor
que levou Jesus a doar sua vida
como servidor fiel no teu reino.
Por Cristo, nosso Senhor. Amém.

Comunicações e avisos

18. BÊNÇÃO
O Deus que nos ungiu como discípulos de Jesus
para o testemunho do seu evangelho,
nos abençoe, ele que é Pai, Filho e Espírito Santo. Amém.
A alegria do Senhor seja a nossa força. Vamos em paz e o Senhor nos acompanhe. Graças a Deus.

 

COLABOREM COM A REVISTA DE LITURGIA

ASSINE, RENOVE E DILVUGUE A REVISTA DE LITURGIA

Revista de Liturgia Ed 275 – A ação de Graças na Celebração dominical da Palavra

Assinatura Anual Digital

Assinatura Anual Impressa

 

Related Posts

Deixe uma resposta