Celebração da Palavra

CELEBRAÇÃO DOMINICAL DA PALAVRA: FESTA DA APRESENTAÇÃO DO SENHOR

FESTA DA APRESENTAÇÃO DO SENHOR

2 de fevereiro de 2020

Livro Dia do Senhor Rito da Celebração da Palavra

Em algum lugar fora da igreja ou à porta de entrada.

1. CHEGADA – Taizé
Jesus te todos salvador, tua luz revela o esplendor do Pai,
nós te cantamos bendizendo o teu amor.

2. SINAL DA CRUZ E SAUDAÇÃO
Em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo. Amém.
A graça e a paz do Senhor Jesus estejam com vocês.
Bendito seja Deus que nos reuniu no amor de Cristo.

3. SENTIDO DA CELEBRAÇÃO
O(a) animador(a), ou quem preside, com breves palavras, introduz o sentido do domingo:
Hoje, quarenta dias após o nascimento de Jesus recordamos o seu encontro, no Templo, com o povo de Israel, nas figuras do velho Simeão e da profetisa Ana. Iluminados pelo Espírito, também nós vamos ao seu encontro com nossas velas acesas, reconhecendo nele a luz que brilha para todos os povos.

4. BÊNÇÃO DAS VELAS E PROCISSÃO
Acendem-se as velas da assembleia. Quem preside faz a oração:

Ó Deus, fonte e origem de toda a luz.
Faze brilhar no coração do teu povo
a luz que não se apaga, para que,
iluminados por estas velas
sejamos testemunhas de Jesus Cristo,
luz que ilumina toda criatura, bendito pelos séculos.

Segue a procissão para a igreja, com velas acesas.

ODC: Salmo 24[23], Ó povos, venham todos, refrão 6, p. 45-6. CD Paulus festas I: Cristo luz, faixa 9.

5. ORAÇÃO DO DIA
Oremos ao Senhor… [breve silêncio]

Ó Deus, força dos que esperam em ti!
Hoje contemplamos Jesus, ainda menino,
sendo apresentado ao templo.
Nós te pedimos a graça de reconhecermos nele
a tua salvação que foi preparada
e oferecida a todos os povos.
Dá-nos caminhar sempre na tua luz!
Por Cristo, Senhor nosso. Amém.

6. PRIMEIRA LEITURA – Malaquias 3,1-4

7. SALMO RESPONSORIAL – Salmo 24(23)
CD Paulus, festas I: O rei da glória, faixa 10.

8. SEGUNDA LEITURA – Hebreus 2,14-18

9. ACLAMAÇÃO – CD Paulus, festas I, faixa 11.
Aleluia, aleluia, aleluia.
Sois a luz que brilhará para os povos
E para a glória de Israel o vosso povo.

10. EVANGELHO – Lc 2,22-40 (ou 22-32)

11. HOMILIA
Esta festa recorda-nos que 40 dias depois do nascimento do seu primogênito, Maria levou a criança ao tempo, em cumprimento da lei que determinava o seu resgate por meio de um sacrifício. É o primeiro encontro oficial de Jesus com o seu povo, na pessoa do ancião Simeão. Na tradição ortodoxa a festa da Apresentação recebe o nome de “Festa do Encontro” ou hypapantê, de Jesus com o seu povo na figura de Simeão. Cristo é apresentado por Simeão ao mundo como Sacramento do encontro e da reconciliação de Deus com a humanidade (todos os povos).
Encontro e manifestação, porque Maria entra no Templo “para manifestar ao mundo aquele que deu a lei e que a cumpre” e para acompanhar o Filho na sua primeira oferta ao Pai.
“Na pessoa do Menino, acontece a convergência entre a primeira e a segunda aliança. É o ponto de chegada daqueles que tanto esperaram o Messias e o ponto de partida para aqueles que vivem a plenitude dos tempos, onde o Reino de Deus se faz presente entre os humanos”.
Vamos ouvir parte de uma homilia de São Sofrônio de Jerusalém (+ – 639) nesta festa:
Vamos ao encontro de Cristo, todos nós que veneramos o seu mistério com fervor, avancemos para ele de todo o coração. (…) Se os nossos círios dão semelhante luz, é antes de mais para mostrar o esplendor divino Daquele que vem, Daquele que faz resplandecer o universo e o mundo com uma luz eterna que afasta as trevas do mal. É também, e sobretudo, para manifestar com que esplendor da nossa alma devemos ir ao encontro de Cristo. (…)
É evidente que ,dado que a luz veio a este mundo (Jo 1,9), este mistério é o nosso mistério. (…) Corramos, pois, todos juntos, vamos todos ao encontro de Deus. (…) Deixemo-nos iluminar por Ele, tornamo-nos todos resplandecentes. Que nenhum de nós permaneça afastado desta luz, como se fosse estrangeiro; que nenhum se obstine em permanecer mergulhado na noite. Pelo contrário, avancemos para a claridade; caminhemos, iluminados, ao seu encontro, e recebamos, com o velho Simeão, esta luz gloriosa e eterna. Com ele exultemos de todo o coração e cantemos um hino de ação de graças a Deus, Pai da luz (Tg 1,17), que nos enviou a claridade verdadeira, para nos tirar das trevas e nos tornar resplandecentes.

12. CREIO

13. PRECES
Adoremos nosso Salvador, que hoje foi apresentado ao templo e peçamos:

Sê nossa luz, ó Senhor.
– Ó Cristo, que te revelaste como luz de todos os povos, ilumina os caminhos da humanidade que te procura e os passos de todos os que promovem a paz e a justiça.
– Ó Cristo, a quem o justo Simeão acolheu em seus braços, sustenta os abandonados e faze de nossas comunidades lugar de inclusão e amor fraterno, nós te pedimos.
– Ó Cristo, reúne os que estão dispersos, cura os enfermos e protege todos os abandonados.

Preces espontâneas…

Atende-nos, ó Pai, as preces que elevamos a ti, em nome de Jesus Cristo nosso Senhor.

14. COLETA FRATERNA
É o momento de trazer donativos ou o dízimo para as necessidades da comunidade, enquanto a assembleia canta: CD Paulus, festas I: Brilhe a vossa luz, faixa 12.

15. AÇÃO DE GRAÇAS
Terminada a coleta todos/as se levantam, quem preside se aproxima do altar e dá início à ação de graças.

[Se houver comunhão eucarística, antes da ação de graças, os/as ministros/as trazem o pão consagrado para o altar].

Quem preside, canta a oração da página ??? ou faz a oração intercalando com o refrão da assembleia:

O Senhor esteja com vocês.
Ele está no meio de nós!
Demos graças ao Senhor, nosso Deus.
É nosso dever e nossa salvação!

Nós te damos graças, ó nosso Deus,
neste dia em que Jesus, apresentado no templo
foi revelado pelo Espírito
e reconhecido como glória do teu povo Israel,
luz de todas as nações.

Glória a ti, Senhor, graças e louvor.

Iluminados pelo mesmo Espírito
também nós corremos ao encontro do Salvador,
como filhos e filhas da luz, com Maria, a mãe das candeias
e com todos os santos e santas, na esperança
de uma nova humanidade vivendo na concórdia e na paz.

Glória a ti, Senhor, graças e louvor.

O universo inteiro te bendiz e a nossa louvação chegue a ti,
em nome de Jesus, por quem oramos com as palavras que ele nos ensinou:
Pai nosso…, pois vosso é o reino,

16. ABRAÇO DA PAZ
Saudemo-nos, uns aos outros, com o sinal da reconciliação e da paz!

Não havendo comunhão, passa-se daqui, para a oração final (n. 18).

Revista de Liturgia Ed 277 – A Palavra, uma possibilidade para a Igreja

17. COMUNHÃO

Quem preside diz:
Relembrando de Jesus que, muitas vezes, reuniu-se com os seus para comer e beber, revelando que o teu reino havia chegado, nós também nos alegramos com ele nesta mesa. E tomando nas mãos o pão consagrado, acrescenta:
Quem vem a mim nunca mais terá fome e o que crê em mim nunca mais terá sede. Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo!

Senhor, eu não sou digno(a)…

Canto de comunhão – CD Paulus, festas I: Cântico de Simeão, faixa 13. ODC: salmo 84, refrão 2, p. 98-100; salmo 48, p. 73.

Silêncio.

18. ORAÇÃO
Ó Deus, promessa de salvação, tu nos alegraste
neste dia em que celebramos
a apresentação de Jesus no Templo,
reconhecido como luz de todos os povos.
Transforma nossas vidas à imagem de Cristo,
teu Filho amado e nosso Salvador, bendito pelos séculos. Amém.

19. BÊNÇÃO
O Deus fonte de luz, que nos deu a alegria
de celebrar a memória de Jesus em sua apresentação,
guarda-nos em seu caminho,
ele que é Pai, Filho e Espírito Santo. Amém.
A alegria do Senhor seja a nossa força. Vamos em paz e o Senhor nos acompanhe. Graças a Deus.

 

Assinatura Anual Digital

Assinatura Anual Impressa

 

Related Posts

Deixe uma resposta