Dia do Senhor

26º Domingo do Tempo Comum Ano B | 30 de setembro de 2018

  1. Aprofundando os textos bíblicos: Números 11,25-29; Salmo 19 (18); Tiago 5,1-6; Marcos 9,38-43.45.47-48

Em Jesus, Deus quer revelar a salvação a todas as pessoas, impelindo-as a agir conforme seu plano de amor. A libertação das formas alienantes e opressoras por Jesus, o Filho de Deus, é sinal da chegada da Boa Nova do Reino. Os discípulos ainda não se abriram à mensagem de Jesus. Eles tentam impedir a ação libertadora de alguém, apenas porque não pertencia ao seu grupo específico. Sua fé continua insuficiente para libertar do mal e cuidar dos doentes (9,18-19). Jesus ensina a acolher todos os que fazem o bem, dizendo: Não o impeçais. Quem não é contra nós está a nosso favor (vv.39-40). A ação do Espírito de Deus é sem fronteiras e desperta as pessoas para gestos solidários, como oferecer um copo de água para beber. Jesus recompensa quem age em seu nome e exorta a não escandalizar os pequenos, que creemnele. Trata-se de testemunhar os valores do evangelho com autenticidade, para evitar o enfraquecimento da fé e o abandono do compromisso. O valor absoluto do Reino é enfatizado pelas imagens simbólicas do pé, da mão e dos olhos. O ser humano todo é chamado a entrar no Reino de Deus, ou seja, na vida plena, assumindo opções coerentes com a mensagem libertadora de Jesus. A 1ª leitura evoca a caminhada pelo deserto, quando os setenta anciãos são investidos com a força do Espírito. Assim, eles se tornam cooperadores de Moisés na missão de conduzir o povo à terra prometida. Eldad e Medad profetizam, apesar de não pertencer ao grupo dos anciãos.  Moisés reconhece a ação de Deus e exclama: Oxalá que todo o povo do Senhor fosse profeta (v.29).O salmo ressalta que a lei do Senhor ilumina e enriquece quem a segue. É comparada ao ouro, símbolo e medida de valor, e ao mel, alimento bem saboroso. A 2ª leitura exorta profeticamente a partilhar os bens com os necessitados, a não explorar os trabalhadores, privando-os do salário digno para viver.

 

  1. Atualizando

A palavra e atuação de Jesus comprometem a trabalhar em favor da libertação de todas as formas de mal no mundo. O seguimento abre os horizontes da comunidade para a comunhão com todos os que colocam suas vidas a serviço do bem da humanidade.

 

  1. A palavra de Deus na celebração

Interpelada pela Palavra de Deus, sem prender o Espírito que age onde quer, a comunidade de fé é convidada a ser sinal de unidade e comunhão nas diferenças.A Eucaristia, como sacramento da unidade e da comunhão eclesial, leva-nos a um empenho ecumênico e inter-religioso.

 

  1. Dicas e sugestões

Na profissão de fé, que pode ser dialogada, a exemplo da Vigília Pascal, a comunidade, iluminada pela Palavra de Deus, renove seu compromisso de solidariedade, seu compromisso com os pobres e seu compromisso com a necessidade de respeito e diálogo com outras igrejas e religiões.

Deixe uma resposta