A Eucaristia é a celebração mais plena e mais apropriada do Dia do Senhor, mas a escassez de ministros ordenados, leva muitas comunidades a se reunirem no domingo encontrando no tesouro da tradição litúrgica a celebração da Palavra para alimento da sua fé. A Palavra é celebrada como evento pascal, “pela ação íntima do Espírito que a torna operante no coração dos fiéis” [OLM, 9]

A CNBB tem incentivado a prática da celebração dominical da Palavra, e os bispos da América Latina e Caribe reunidos em Aparecida manifestaram todo o seu apreço por tais celebrações: Com profundo afeto pastoral, queremos dizer às milhares de comunidades com seus milhões de membros, que não têm oportunidade de participar da Eucaristia dominical, que também elas podem e devem viver “segundo o domingo”(…) participando da celebração dominical da Palavra, que faz presente o Mistério Pascal no amor que congrega (cf. Jo 3,14), na Palavra acolhida (cf. Jo 5,24-25) e na oração comunitária (cf. MT 18,20). [DA n. 253].

  1. CHEGADA – escolher no livro de canto, ou:
    Jesus de todos Salvador,
    tua luz revela o esplendor do Pai,
    nós te cantamos bendizendo, o teu amor.
  2. CANTO DE ABERTURA
    Procissão com a cruz e o livro da Palavra. Canto: Salmo 95(94) – mesma melodia de “toda terra te adore”, H3, p. 120:
    Batizado o Senhor Jesus,
    voz do Pai, se escutou:
    “Eis meu Filho muito amado,
    nele está o meu amor”.
  3. Venham todos, com alegria, /aclamar nosso Senhor,
    caminhando ao seu encontro, / proclamando seu louvor.
    Ele é o rei dos reis /e dos deuses o maior.
  4. Tudo é dele: abismos montes / mar e terra ele formou.
    De joelhos adoremos / este Deus que nos criou,
    pois nós somos seu rebanho /e ele é nosso pastor.
  5. Ninguém feche o coração /escutemos sua voz
    não sejamos tão ingratos /como outrora os nossos pais
    mereçamos o que ele /tem guardado para nós
  6. Glória ao Pai que nos acolhe /e a seu Filho Salvador.
    Igualmente demos glória /ao Espírito de amor.
    Hoje e sempre, eternamente, /cantaremos seu louvor.
  7. SINAL DA CRUZ E SAUDAÇÃO
    Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Amém.
    Que a paz do Senhor Jesus esteja com todos vocês!
    Bendito seja Deus que nos reuniu no amor de Cristo!
  8. SENTIDO DA CELEBRAÇÃO E RITO DA ASPERSÃO
    O(a) animador(a) ou quem coordena, com breves palavras introduz o sentido da celebração:
    Encerrando com esta festa o tempo do natal, recordamos o dia em que Jesus foi batizado nas águas do Jordão e manifestado publicamente pelo Pai como Filho e servidor da sua confiança.
    Dirigindo-se à pia com água, quem preside, prossegue:
    Bendigamos a Deus por esta água e peçamos que ele renove em nós a graça do batismo.
    Breve silêncio…
    Ó Deus, neste dia, as águas exultam de alegria
    por terem recebido, no meio do Jordão,
    a tua bênção santificadora.
    Esta água recorda para nós o batismo do teu Filho
    e seu mergulho em nossa humanidade.
    O sol da justiça se banhou no rio,
    o fogo mergulhou nas águas
    e foi manifestada a todo gênero humano a tua salvação.
    Que esta água renove o nosso fervor
    no seguimento de Jesus
    e na fidelidade à missão que nos foi confiada.
    Por Cristo, nosso Senhor! Amém.
    Aspersão… Canto: CD Liturgia V, faixa 16
    Nas águas do Jordão mergulhados
    fomos batizados no Espírito Santo.
    Eis a voz do Senhor sobre as águas!
    Eis a voz de Deus com poder.
    Voz de Deus que contorce os carvalhos,
    no seu templo os fiéis bradam: “Glória”
    Ao terminar a aspersão, quem preside, da cadeira, conclui:
    Que Deus em sua misericórdia nos liberte de todos os males, nos conceda o seu perdão e a vida eterna. Amém.
  9. GLÓRIA
  10. ORAÇÃO DO DIA
    Oremos ao Senhor… [breve silêncio]
    Ó Deus do universo, força de consolação,
    quando o teu filho Jesus
    mergulhou nas águas do Jordão
    e o Espírito desceu sobre ele,
    tu o proclamaste teu filho amado.
    Dá aos teus filhos e filhas,
    renascidos da água e do Espírito,
    a graça de permanecerem sempre
    na tua comunhão e no teu serviço.
    Por Cristo, nosso Senhor. Amém.
  11. PRIMEIRA LEITURA ISAÍAS 42,1-4.6-7
    No tempo em que o povo de Israel vivia em situação de exílio, o profeta Isaías procurou animar a fé falando de um servo de Deus que trazia consigo a missão de renovar a aliança e reconduzir os exilados. Estes poemas com a figura do servo ficaram conhecidos como “cânticos do servo do Senhor”. Escutemos o 1º cântico, procurando encontrar aí uma palavra de Deus o sentido do batismo de Jesus e o nosso.
  12. SALMO 28 (29), 1A.2.3AC-4.3B.9B-10 CD Liturgia V, faixa 16
    Cantando este salmo, demos graças ao Pai que nos consagrou e nos fez participar da missão de Jesus, seu servo.
    Que o Senhor abençoe, com a paz, o seu povo!

Filhos de Deus, tributai ao Senhor,
tributai-lhe a glória e o poder!
Dai-lhe a glória devida ao seu nome;
adorai-o com santo ornamento!

Eis a voz do Senhor sobre as águas,
sua voz sobre as águas imensas!
Eis a voz do Senhor com poder!
Eis a voz do Senhor majestosa.

Sua voz no trovão reboando!
No seu templo os fiéis bradam: ‘Glória!’
É o Senhor que domina os dilúvios,
o Senhor reinará para sempre!

  1. SEGUNDA LEITURA Atos 10,34-38
    Segundo o costume do povo judeu, era proibido ir à casa de alguém que não era judeu. Inspirado por Deus, Pedro, judeu, vai até a casa de Cornélio, um não-judeu. Pedro, ao justificar sua atitude perante a comunidade, proclama-nos o mistério do batismo do Senhor.
  2. ACLAMAÇÃO AO EVANGELHO (Melodia: Eu confio em nosso Senhor)
    Aleluia, aleluia, aleluia!
    Que o Pai do Senhor Jesus Cristo
    nos dê do saber o Espírito!
    Conheçamos, assim, a esperança
    a qual nos chamou como herança.
  3. EVANGELHO Lucas 3,15-16.21-22
    O(a) leitor(a) se dirige se dirige à assembleia com esta saudação:
    O Senhor esteja com vocês.
    Ele está no meio de nós.
    Fazendo o sinal-da-cruz na fronte, na boca e no peito:
    Anúncio da boa-nova de Jesus Cristo segundo Lucas
    Glória a vós, Senhor.
    Naquele tempo: O povo estava na expectativa e todos se perguntavam no seu íntimo se João não seria o Messias. Por isso, João declarou a todos: ‘Eu vos batizo com água, mas virá aquele que é mais forte do que eu. Eu não sou digno de desamarrar a correia de suas sandálias. Ele vos batizará no Espírito Santo e no fogo. Quando todo o povo estava sendo batizado, Jesus também acrescentado o batismo. E, enquanto rezava, o céu se abriu e o Espírito Santo desceu sobre Jesus em forma visível, como pomba. E do céu veio uma voz: ‘Tu és o meu Filho amado, em ti ponho o meu bem-querer.’
    Proclama o evangelho e no final da leitura conclui dizendo:
    Palavra da Salvação.
    Glória a vós, Senhor.
    Beija o livro e o mostra para a assembleia, que se inclina, num gesto de adesão à Palavra.
  4. HOMILIA – para quem prepara a homilia
    narrativa de Lucas apresenta duas partes bem distintas: o testemunho de João Batista e o relato do batismo. Lucas faz questão de mostrar a expectativa popular pelo Messias, sua sede e fome de justiça. O batismo de Jesus é com o Espírito Santo e com fogo, dois sinais da ação de Deus. Ao narrar o batismo, Lucas insiste em mostrar que Jesus estava em oração quando recebeu o Espírito, marcando a relação entre orar a Deus e receber o seu Espírito. Misturado com os pecadores sem o ser, Jesus recebe o duplo testemunho do Espírito e do Pai. o Espírito se manifesta sob a forma de pomba – a pomba da arca (Gn 8,12) ou do amor (Ct 2,10). A descida do Espírito é como a consagração e a unção para o ministério, marcando o início de uma nova época, o tempo da alegria messiânica. Ao mesmo tempo, a descida do Espírito sobre Jesus marca o início dos atos de Jesus, do mesmo modo que, em Pentecostes, marcará o início da Igreja.
    A festa do batismo nos convida a retomar a mística que nos move a continuarmos em nosso mundo a missão de Jesus, a entrarmos, nós também, nesta experiência de ver o céu se abrindo e de ouvir a voz do Pai se manifestando a nós pelo seu Espírito. Em nossa celebração, o Senhor renova conosco sua aliança de amor e nos cobre com a ternura do seu Espírito. Ele nos confirma como filhos e filhas do seu bem-querer, para que possamos ser fiéis à vocação de ser luz das nações, em comunhão com todas as Igrejas e religiões que têm em comum esta vocação.
  5. Creio
  6. Preces
    Oremos ao nosso Salvador que quis ser batizado no Jordão:
    Ouve-nos amado, Senhor Jesus.
  • Filho amado do Pai, no Jordão manifestou-se o mistério da tua vocação como servo de Deus, firma nossos corações no serviço do seu reino.
  • Filho amado do Pai, por teu batismo santificaste todas as águas e a criação inteira, renova em teu amor todo o universo.
  • Filho amado do Pai, sendo batizado assumiste a nossa humanidade, escuta o grito de socorro de todos os que sofrem.
    Preces espontâneas… Quem preside conclui:
    Recebe, ó Pai, as nossas preces, em nome de Jesus, nosso Senhor. Amém.
  1. COLETA FRATERNA
    É o momento de trazer donativos ou o dízimo para as necessidades da comunidade, enquanto a assembleia.
  2. AÇÃO DE GRAÇAS
    Terminada a coleta todos/as se levantam, quem preside se aproxima do altar e dá início à ação de graças.
    [Se houver comunhão eucarística, antes da ação de graças, os/as ministros/as trazem o pão consagrado para o altar].
    O Senhor esteja com vocês.
    Ele está no meio de nós!
    Demos graças ao Senhor, nosso Deus.
    É nosso dever e nossa salvação!
    Quem preside, faz a oração intercalando com o canto da assembleia:
    É um prazer para nós te louvar, Deus do universo.
    Antes que nos aproximássemos de ti,
    tu te fizeste próximo de nós, igual a nós,
    para nos fazer participar da tua glória,
    por Cristo teu servo e nosso salvador.
    Glória a ti Senhor, graças e louvor!
    Batizado hoje no rio Jordão,
    santificou as nossas águas para o novo Batismo.
    Pela voz descida do céu
    revelaste que o teu Verbo habita entre nós
    e, pelo Espírito que pairou sobre ele,
    deste a conhecer que o teu servo,
    foi ungido com o óleo da alegria
    para proclamar a boa nova aos pobres.
    Glória a ti Senhor, graças e louvor.
    Com as águas de todos os rios,
    com o universo inteiro
    e todas as pessoas que te buscam,
    nós louvamos e glorificamos, em nome de Jesus,
    por quem oramos com as palavras que ele nos ensinou:
    Pai nosso… pois vosso é o reino, o poder e a glória para sempre.
  3. ABRAÇO DA PAZ
    Saudemo-nos uns aos outros na paz do Cristo.
    Não havendo comunhão, passa-se daqui, para a oração final (n. 19).
  4. COMUNHÃO
    Quem preside diz:
    Relembrando de Jesus que, muitas vezes,
    reuniu-se com os seus para comer e beber,
    revelando que o teu reino havia chegado,
    nós também nos alegramos com ele nesta mesa.
    E tomando nas mãos o pão consagrado, acrescenta:
    Quando Jesus saiu das águas, o céu se abriu.
    Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo!
    Senhor, eu não sou digno(a)…
    Canto de comunhão: melodia liturgia “foi assim em caná”, ODC, n. 21, p. 233:
    ‘No batismo eu vi o Espírito
    como pomba descendo do céu’.
    Testemunha, João, o Batista:
    ‘Eis o Cristo, o Filho de Deus’.
  5. Bendito o Deus de Israel
    Que seu povo visitou
    E deu-nos libertação
    Enviando um Salvador,
    Da casa do rei Davi,
    Seu ungido servidor.
  6. Cumpriu a voz dos profetas
    Desde os tempos mais antigos,
    Quis libertar o seu povo
    Do poder dos inimigos,
    Lembrando-se da aliança
    De Abraão e dos antigos.
  7. Fez a seu povo a promessa
    De viver na liberdade,
    Sem medos e sem pavores
    Dos que agem com maldade
    E sempre a ele servir
    Na justiça e santidade.
  8. Menino, serás profeta
    Do Altíssimo Senhor
    Pra ir à frente aplainando
    Os caminhos do Senhor,
    Anunciando o perdão
    A um povo pecador.
  9. É ele o Sol Oriente
    Que nos veio visitar.
    Da morte, da escuridão,
    Vem a todos libertar.
    A nós seu povo remido
    Para a paz faz caminhar.
  10. Ao nosso Pai demos glória
    E a Jesus louvor também.
    Louvor e glória, igualmente,
    Ao Espírito que vem.
    Que nosso louvor se estenda
    Hoje, agora e sempre. Amém!

Silêncio

  1. ORAÇÃO
    Ó Deus, força de paz, nesta celebração,
    recebemos de ti o mesmo Espírito
    que pairou sobre as águas
    e revelou ao mundo inteiro o teu filho amado.
    Dá-nos a consciência de sermos teus filhos e filhas,
    infinitamente agraciados pelo teu amor de Pai.
    Por Cristo, nosso Senhor. Amém.
    Comunicações e avisos
  2. BÊNÇÃO
    O Deus de toda a claridade nos ilumine com a luz de Jesus Cristo e nos faça caminhar como filhos e filhas da luz, agora e sempre! Amém.
    Abençoe-nos o Pai, o Filho e o Espírito Santo. Amém.
    Vamos em paz e o Senhor nos acompanhe.
    Graças a Deus.

Anexo: outra alternativa para a ação de graças – CD comep, ação de graças no Dia do Senhor, faixa:
O Senhor esteja com vocês.
Ele está no meio de nós!
Demos graças ao Senhor, nosso Deus.
É nosso dever e nossa salvação!
Quem coordena canta e a assembleia repete

  1. Para nós é um prazer / bendizer-te, ó Senhor,
    celebrar o teu amor / por Jesus teu bem-querer! (bis)
  2. Te louvamos, ó Senhor, / pela nossa humana história,
    que revela tua glória, / teu poder libertador. (bis)
  3. Pois nas águas do Jordão / teu ungido apresentaste
    e em Caná nos preparaste / vinho novo em profusão. (bis)
  4. Teu Espírito congregue / tudo quanto está disperso;
    tua Igreja em vida e verso / o teu reino manifeste! (bis)
  5. Bem unidos em Jesus, / um só corpo nós seremos,
    nossa vida oferecemos, / como ele fez na cruz! (bis)
  6. Finalmente a nossa boca, / inspirada por teu Filho,
    e seguindo o seu ensino, / o teu santo nome invoca: (bis)
    T: Pai nosso… pois vosso é o reino, o poder e a glória para sempre.

Adquira o livro:

Dia do Senhor: Rito da Celebração da Palavra,

Paulinas Volume 1.

Contem roteiros para a

Celebração dominical da Palavra

durante todo o ano litúrgico.

www.apostoladolitúrgico.com.br

Desenho: Claudio Pastro

Related Posts

Deixe uma resposta