A Eucaristia é a celebração mais plena e mais apropriada do Dia do Senhor, mas a escassez de ministros ordenados, leva muitas comunidades a se reunirem no domingo encontrando no tesouro da tradição litúrgica a celebração da Palavra para alimento da sua fé. A Palavra é celebrada como evento pascal, “pela ação íntima do Espírito que a torna operante no coração dos fiéis” [OLM, 9]

A CNBB tem incentivado a prática da celebração dominical da Palavra, e os bispos da América Latina e Caribe reunidos em Aparecida manifestaram todo o seu apreço por tais celebrações: Com profundo afeto pastoral, queremos dizer às milhares de comunidades com seus milhões de membros, que não têm oportunidade de participar da Eucaristia dominical, que também elas podem e devem viver “segundo o domingo”(…) participando da celebração dominical da Palavra, que faz presente o Mistério Pascal no amor que congrega (cf. Jo 3,14), na Palavra acolhida (cf. Jo 5,24-25) e na oração comunitária (cf. MT 18,20). [DA n. 253].

  1. CHEGADA – escolher no livro de canto, ou:
    Alegrai-vos todos, toda a gente,
    ao Senhor, nosso Deus, com amor servi!
    Aleluia, aleluia, com amor servi. (bis)
  2. CANTO DE ENTRADA – Procissão, levando a grande vela acesa e o livro da Palavra.
    Nasceu-nos hoje um menino, CD Liturgia V, faixa 6; Terra toda, aclamai ao Senhor, H 1, p. 28; Salve, ó santa mãe de Deus, H 1, p. 28; Vamos a Belém, aleluia, H 1, p. 87 e ODC, p. 307; Nas terras do oriente, H 1, p. 82 e ODC, p. 307.
  3. SINAL-DA-CRUZ
    Em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo. Amém.
  4. SAUDAÇÃO
    Que a paz do Senhor Jesus esteja com vocês!
    Bendito seja Deus que nos reuniu no amor de Cristo!
  5. SENTIDO DA CELEBRAÇÃO
    Quem coordena com breves palavras, acolhe as pessoas e introduz o sentido da celebração:
    Recordando nesta oitava do natal o dia em que Jesus recebeu o nome de Salvador, contemplamos a figura de Maria, que participou do mistério da vinda do Salvador Jesus Cristo, nascido de Deus.
  6. GLÓRIA – H 1, p. 50.
  7. ORAÇÃO DO DIA
    Ó Deus, promessa de paz,
    por Maria, mãe de teu filho Jesus,
    deste a toda humanidade a vida plena e a paz.
    Nas lutas e desafios da vida,
    dá-nos a graça de contar sempre com sua intercessão e prece,
    já que nos trouxeste o autor da vida,
    Jesus Cristo, teu filho e nosso Senhor,
    por quem te pedimos na unidade do Espírito Santo. Amém.
  8. PRIMEIRA LEITURA – Números 6,22-27
    Escutemos dirigida para nós esta antiga bênção judaica, com a qual se encerravam as ações litúrgicas do templo de Jerusalém.
  9. PRIMEIRA LEITURA Isaías 52,7-10
    A descrição do anúncio do fim do cativeiro da Babilônia feita pelo profeta Isaías a um povo em ruínas nos é apresentada como um símbolo para evocar a vinda do Senhor para a humanidade sofrida.
  10. SALMO RESPONSORIAL – 67(66) – H 1, p. 11)
    Entoando este salmo, peçamos que o Senhor nos abençoe em Cristo. Que ele conduza nossos passos no caminho da paz. E que seu nome seja reconhecido em toda a terra.
    Que Deus nos dê a sua graça e sua bênção.
    Que Deus nos dê a sua graça e sua bênção
    e sua face resplandeça sobre nós!
    Que na terra se conheça o seu caminho
    e a sua salvação por entre os povos.
    Exulte de alegria a terra inteira,
    pois julgais o universo com justiça;
    os povos governais com retidão
    e guiais, em toda a terra, as nações.
    Que as nações vos glorifiquem, ó Senhor,
    que todas as nações vos glorifiquem!
    Que o Senhor e nosso Deus nos abençoe
    e o respeitem os confins de toda a terra!
  11. ACLAMAÇÃO AO EVANGELHO – mesma melodia, CD Liturgia V, faixa 3;
    Aleluia, aleluia, aleluia, aleluia!
    Outrora Deus falou pelos profetas,
    ultimamente falou-nos por seu Filho.
    Ou: H1, p. 61:
    Aleluia, aleluia,
    Glória a Deus nos altos céus
    e na terra paz aos povos,
    bem-amados filhos seus.
    Aos pais e mães no passado
    falou nosso Deus muitas vezes,
    e fala nos tempos de agora
    por Cristo, nosso Senhor.
  12. PROCLAMAÇÃO DO EVANGELHO – Lucas 2,16-21
    Escutemos o que aconteceu aos pastores depois do anúncio dos anjos e como São Lucas descreve a participação de Maria.
    O(a) leitor(a), da estante da Palavra, se dirige à assembleia com esta saudação:
    O Senhor esteja com vocês.
    Ele está no meio de nós.
    Fazendo o sinal-da-cruz na fronte, na boca e no peito:
    Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo…
    Glória a vós, Senhor.
    Proclama o evangelho e no final da leitura conclui:
    Naquele tempo: Os pastores foram às pressas a Belém e encontraram Maria e José, e o recém-nascido, deitado na manjedoura. Tendo-o visto, contaram o que lhes fora dito sobre o menino. E todos os que ouviram os pastores ficaram maravilhados com aquilo que contavam. Quanto a Maria, guardava todos estes fatos e meditava sobre eles em seu coração. Os pastores voltaram, glorificando e louvando a Deus por tudo que tinham visto e ouvido, conforme lhes tinha sido dito. Quando se completaram os oito dias para a circuncisão do menino, deram-lhe o nome de Jesus, como fora chamado pelo anjo antes de ser concebido.
    Palavra da Salvação. Glória a vós, Senhor.

    Beija o livro e o mostra para a assembleia, que se inclina, num gesto de adesão à Palavra.
  13. HOMILIA – Sugestão:
    É a continuação do evangelho da noite de Natal. Após terem recebido o anúncio do anjo, os pastores vão comprovar a mensagem e voltam glorificando a Deus. No oitavo dia, realiza-se a circuncisão do menino. A circuncisão era o rito mediante o qual se começava a fazer parte do povo eleito (Gn 17,2-17), recebendo um nome que exprimia a missão que o novo membro assumia no conjunto do povo da aliança. Jesus será, como o nome indica, o realizador da salvação.

    Em meio a esta dinâmica, o evangelista registra o papel de Maria que guarda tudo na memória e medita, talvez apontando para o papel de Maria como fonte última de informação. Maria torna-se assim modelo da Igreja que contempla os mistérios da vinda de Cristo. Venerada sob o título de Mãe de Deus pelos cristãos do ocidente, e Portadora de Deus pelos cristãos do Oriente, Maria torna-se, desta forma, a nova Eva, a nova mãe dos vivente, gerando os novos filhos e filhas de Deus. Assim, Santo Ambrósio, no século IV, se dirigindo à sua comunidade, exprimia: “Todo o que crê se engravida e gera o Verbo de Deus em seu coração. (…) Se pela carne, uma só é a Mãe de Cristo, pela fé o Cristo é fruto de todos!”.
    No começo de um novo ano, dia mundial da paz, último dia da oitava do natal, confiamos à Mãe de Deus e mãe da Igreja, tudo que experienciamos nestes dias e que o Senhor ternamente nos preparou. A atitude dos personagens deste evangelho é retomada por nossa assembléia hoje. Como os pastores glorificamos e louvamos a Deus por tudo isso que vivemos. Tal como Maria guardamos tudo no coração. Dessa forma, a liturgia que celebramos torna-se fonte de vida e graça!
  14. CREIO
  15. PRECES
    Bendizendo o Senhor que visita e liberta o seu povo, apresentemos nossas preces, por nós e por toda a humanidade:
    Dirige nossos passos no caminho da paz!
  • Olha, Senhor, para as nações em conflito, põe fim às discórdias, faze frutificar os esforços de todas as pessoas que se consagram à causa da paz.
  • Vem, Senhor, em socorro de todos quantos estão na exclusão, à margem dos mínimos direitos: os desempregados, os meninos e meninas de rua e todos os teus pequeninos.
  • Apressa entre nós o tempo novo da angústia vencida, da fome saciada, do pão repartido e da nossa comunidade mais unida e fraterna.
    Preces espontâneas…
    Recebe, ó Pai, as nossas preces, em nome de Jesus, nosso Senhor. Amém.
  1. PARTILHA FRATERNA
    É o momento de trazer donativos ou o dízimo para as necessidades da comunidade, enquanto a assembleia canta: escolher no livro de canto.
  2. AÇÃO DE GRAÇAS
    Terminada a coleta, todos/as se levantam, os/as ministros/as trazem o pão consagrado para o altar. Quem preside, aproxima-se do altar, faz uma breve inclinação e dá início à ação de graças.
    Se não houver comunhão, depois das preces, quem preside se aproxima do altar e dá início à ação de graças.
    O Senhor esteja com vocês.
    Ele está no meio de nós!
    Demos graças ao Senhor, nosso Deus.
    É nosso dever e nossa salvação!
    Quem preside proclama a oração intercalando com o canto da assembleia:
    É um prazer para nós te louvar, Deus do universo.
    Antes que nos aproximássemos de ti, tu te fizeste próximo de nós,
    igual a nós na humanidade de Jesus, para nos fazer participar da tua glória.
    Com os anjos que anunciaram o seu nascimento em Belém,
    nós te bendizemos!
    Glória a Deus nos mais alto dos céus!
    Por ele, realiza-se hoje o maravilhoso encontro
    entre o céu e a terra para conduzir todos os viventes
    à intimidade da tua comunhão. Tornando-se humano entre nós,
    a nossa humana natureza recebe uma incomparável dignidade.
    Glória a Deus nos mais alto dos céus!
    Recebe o louvor de todo o universo e a prece que elevamos a ti, com a oração que Jesus nos ensinou:
    Pai nosso…. pois vosso é o reino, o poder e a glória para sempre.
  3. ABRAÇO DA PAZ
    Saudemo-nos uns aos outros com o sinal da reconciliação e da paz.
    Não havendo comunhão, passa-se daqui, para a oração final (n. 20).
  4. RITO DA COMUNHÃO
    Quem preside diz:
    Relembrando de Jesus que, muitas vezes, reuniu-se com os seus
    para comer e beber, revelando que o teu reino havia chegado,
    nós também nos alegramos com ele nesta mesa.
    E tomando nas mãos o pão consagrado, acrescenta:
    Quem vem a mim nunca mais terá fome
    e o que crê em mim nunca mais terá sede.
    Eis o Cordeiro de Deus, aquele que tira o pecado do mundo!
    Senhor, eu não sou digno(a)…
    Canto: Jesus Cristo, ontem e hoje, H 1, p. 17; Hino ao Verbo de Deus, CD Liturgia V, faixa 8; No presépio pequenino…
    Silêncio…
  5. ORAÇÃO
    Ó Deus de bondade,
    cheios de alegria recebemos os sacramentos do teu amor.
    Pela força deles possamos, neste ano que inicia,
    caminhar conduzidos pelo Evangelho,
    nós que proclamamos a Virgem Maria,
    Mãe de Deus e Mãe da Igreja.
    Por Cristo, nosso Senhor.
    Amém.
    Comunicações e avisos
  6. BÊNÇÃO
    O Deus de toda a claridade nos ilumine com a luz de Jesus Cristo e nos faça caminhar como filhos e filhas da luz, agora e sempre! Amém.
    Abençoe-nos o Pai, o Filho e o Espírito Santo. Amém.
    Vamos em paz e o Senhor nos acompanhe. Graças a Deus.
  7. PROCISSÃO AO PRESÉPIO – Canto: noite feliz.

Anexo: outra alternativa: CD Ação de graças no dia do Senhor, faixa 3.

O Senhor esteja com vocês. Ele está no meio de nós!
Demos graças ao Senhor, nosso Deus. É nosso dever e nossa salvação!
Quem coordena canta e a comunidade repete a segunda linha de cada verso:
É bom cantar um bendito, / um canto novo, um louvor!

  1. Ao Deus que fez neste dia / nascer-nos um Salvador!
    Jesus nasceu de Maria, / proclamem esta alegria! (bis)
  2. De Deus o Verbo encarnou-se / e entre nós habitou!
    Jesus nasceu em Belém, / de Deus a graça nos vem! (bis)
  3. Humano Deus se tornando, / divino achou-se o humano!
    Emanuel Deus-co’a gente, / o povo todo contente! (bis)
  4. Por isso nós e o universo / nos alegramos Senhor
    Teu santo nome invocamos / tal qual Jesus ensinou:
    T: Pai nosso…
  5. Roteiro preparado: Penha Carpanedo
  6. Congregação Discípulas do Divino Mestre,
  7. Redatora da revista de liturgia
  8. www.revistadeliturgia.com.br
  9. membro da Rede Celebra.

Roteiro preparado: Penha Carpanedo
Congregação Discípulas do Divino Mestre,
Redatora da revista de liturgia
www.revistadeliturgia.com.br
membro da Rede Celebra.

Adquira o livro:

Dia do Senhor: Rito da Celebração da Palavra,

Paulinas Volume 1.

Contem roteiros para a

Celebração dominical da Palavra

durante todo o ano litúrgico.

www.apostoladolitúrgico.com.br

Desenho: Claudio Pastro

Related Posts

Deixe uma resposta