Celebrar em Casa

Domingo do trigo e do joio – 16º do Tempo Comum – 2020

Roteiro: Penha Carpanedo, da Congregação Discípulas do Divino Mestre (Apostolado litúrgico), membro da Rede Celebra de animação litúrgica.

Prepare um espaço com cadeiras em circulo, coloque no centro sobre um tecido a bíblia e uma vela, convide as pessoas para se juntarem [mantendo a necessária distância]. Alguém acende a vela. Todos ficam em silêncio por algum tempo. A pessoa que vai presidir começa a celebração com os versos da abertura.

1. ABERTURA
Quem preside canta, os demais repetem fazendo o sinal da cruz enquanto canta o primeiro verso:

– Vem, ó Deus da vida, vem nos ajudar! (bis)
Vem não demores mais vem nos libertar. (bis)
– Venham adoremos, Cristo ressurgiu! (bis)
A criação inteira, o Senhor remiu. (bis)
– Glória ao Pai e ao Filho e ao Santo Espírito. (bis)
Glória à Trindade Santa, glória ao Deus bendito! (Bis)
– Aleluia, irmãs, aleluia irmãos. (bis)
Povo de sacerdotes, a Deus louvação. (bis)

2. Recordação da vida
Quem preside introduz o sentido da celebração:
Acolhemos em nossa vida este dia de domingo, recordando Jesus, na firme certeza de que o reino já está presente entre nós, mesmo nestes tempos difíceis em que vivemos. No meio de tanta morte, há sinais de vida, de solidariedade, de cuidado que manifestam a presença de Deus.
As pessoas são convidadas a conversar trazendo estes sinais de vida nos gestos de tanta gente que se coloca do lado do povo.

3. SALMO 86
1.Senhor, me escuta e responde:
sou fraco e necessitado;
Me salva, sou teu amigo,
teu servo em ti confiado.

2.Tu és meu Deus, tem piedade,
o dia todo te invoco,
Alegra meu coração,
pra ti, Senhor, eu me volto.

3.Tu és perdão e bondade,
acolhes aos que te imploram;
Atende agora esta prece,
No meu sofrer me consola.

4. Na angústia chamo por ti,
Pois tu respondes, Senhor.
Que deus faria o que fazes?
Ninguém te iguala em amor.

5. Os povos todos virão
Louvar a tua majestade;
Tu fazes grandes prodígios,
Só tu és Deus de verdade.

6. Me ensina o caminho certo,
Pra andar em tua verdade;
Reúne meu coração,
Que siga tua vontade.

7. De coração agradeço:
Tão grande amor tens por mim,
Tiraste-me do abismo,
Assim te louvo, sem fim.

8. Furiosos se levantaram,
Querendo me derrubar;
Contigo não se incomodam,
Altivos querem matar.

9. Mas tu, Senhor de ternura,
Paciente, cheio de amor,
De mim tem pena, ó Deus,
Atento a teu servidor.

10. Me dá tua força, Senhor,
Teu servo vem libertar;
E aqueles que me odeiam
Calados hão de ficar.

11. Ao Pai do céu demos glória
E a Jesus Cristo também;
A quem dos dois é o Amor,
Se louve pra sempre. Amém!
– Oração silenciosa

4. ORAÇÃO
Oremos ao Senhor... [breve silêncio]
Ó Deus, pastor do teu povo e mãe da vida,
sê generoso com teus filhos e filhas!
Enche-nos da tua ternura
para que, cheios de fé, esperança e amor,
guardemos fielmente os teus mandamentos.
Por Cristo, nosso Senhor. Amém.

5. REFRÃO para preparar a escuta da Palavra

Mandai o vosso Espírito Santo,
o paráclito aos nossos corações
e fazei-nos conhecer as Escrituras,
as Escrituras que foram por ele inspiradas.

6. LEITURA DO EVANGELHO – Mateus 13,24-43
Uma pessoa da casa faça pausadamente a leitura:
Leitura do Evangelho de Jesus Cristo segundo Mateus

Naquele tempo: 24Jesus contou outra parábola à multidão: ‘O Reino dos Céus é como um homem que semeou boa semente no seu campo. 25Enquanto todos dormiam, veio seu inimigo, semeou joio no meio do trigo, e foi embora. 26Quando o trigo cresceu e as espigas começaram a se formar, apareceu também o joio. 27Os empregados foram procurar o dono e lhe disseram: Senhor, não semeaste boa semente no teu campo? Donde veio então o joio? O dono respondeu: Foi algum inimigo que fez isso’. Os empregados lhe perguntaram:
`Queres que vamos arrancar o joio?’ 29O dono respondeu: Não! pode acontecer que, arrancando o joio, arranqueis também o trigo. 30Deixai crescer um e outro até a colheita! E, no tempo da colheita, direi aos que cortam o trigo: arrancai primeiro o joio e o amarrai em feixes para ser queimado! Recolhei, porém, o trigo no meu celeiro!”

Palavra da Salvação.

7. MEDITAÇÃO
– Quem preside lê o texto abaixo e abre para a partilha do grupo:
A parábola do trigo e do joio revela muito da
nossa vida, da família onde nascemos, da Igreja a
que pertencemos, do mundo que nos rodeia. Em
cada grupo humano e em toda comunidade cristã
coexistem fortes e frágeis, pessoas generosas e
pessoas mesquinhas… Às vezes, somos levados por
sentimentos semelhantes aos dos empregados da
parábola do trigo e do joio: queremos acabar logo
com a erva daninha.
Mas o dono do plantio tem um olhar diferente.
Ele dá tempo e age com paciência. Nisto consiste a
grandeza de Deus. Ele deixa o mal crescer
juntamente com o bem e permite que o ímpio
prospere com o justo. Jesus não elimina o joio, não
corta a figueira infrutífera (cf. Lc 13,8-9), não
expulsa Judas do grupo dos doze, não exclui Pedro
depois da negação. Segui por este caminho amando
até o fim, até à cruz.
Imitar a paciência de Deus é exercitar a
confiança para com o ser humano para não excluir
e não julgar precipitadamente. Além disso, desenvolver
em nós a capacidade de viver com o negativo é impor
limites à nossa própria força, à tendência de sempre
olhar o outro como problema. Além disso, é importante
reconhecer que somos uma mistura de trigo e de joio,
que nem sempre conseguimos fazer o bem que
desejamos.
Contudo, aceitar que o joio cresça com o trigo,
não significa reduzir-nos a ele, nem deixar que ele
determine a nossa conduta. Pensemos na situação
do Brasil. Não cabe a nós acabar com os injustos que
escancaradamente fazem o mal, sobretudo aos
pobres do povo. Mas não podemos aceitar a política
genocida que se impõe sobre nós. Não vamos
arrancar o joio, mas vamos cuidar do trigo. A
primeira coisa que podemos e devemos fazer é não
dar razão, ou não ficar do lado de quem usa o poder
para matar e para desmatar. Ficando do lado dos
pobres, podemos encontrar caminhos de
solidariedade e de luta para construir a sabedoria do
bem-Viver.

8. PRECES
Oremos a Jesus Cristo que intercede por nós junto do Pai e cantemos:

Ó Senhor, escuta a nossa prece.
– Pelas comunidades cristãs, que jamais compactuem com os poderes que mentem e matam, e que estejam dispostas a resistir junto às periferias geográficas e existenciais. Rezemos.
– Pelos cientistas e pesquisadores, para que o seu trabalho reverta em benefício de todas as pessoas. Rezemos.
Ó Senhor, escuta a nossa prece.
– Pelos que têm responsabilidade na vida pública, para que trabalhem com integridade e com justiça. Rezemos.
Ó Senhor, escuta a nossa prece.
– Preces espontâneas… Quem preside conclui:

Atende-nos, ó Pai, por Cristo Jesus, na unidade do Espírito Santo. Amém.

9. PAI NOSSO
Quem preside faz o convite:
Obedientes à palavra de Jesus, sob a inspiração do
seu Espírito que ora em nós, rezemos com
confiança: Pai nosso…

Oração
Ó Deus, como o trigo que germinou e cresceu apesar
do joio, faze que também o teu povo, em meio a tantos perigos de morte,
saiba escolher e lutar a favor do bem, como fez Jesus, que venceu o mal com um amor que foi fiel até à cruz. Por ele nós te pedimos, na unidade do Espírito Santo. Amém.

10. BÊNÇÃO
Que o Deus da paz nos livre de toda adversidade,
firme os nossos passos no bem que podemos e
nos abençoe o Pai e Filho e Espírito Santo.
Amém.

BÊNÇÃO À MESA
Senhor, nós te agradecemos por esta mesa que nos
reúne e por estes alimentos, dons que recebemos de
tua bondade e fruto do trabalho duro de tantas
mãos. Esta nossa mesa recorda as muitas refeições
de Jesus com os seus, nas casas, à beira do mar ou
no deserto com a multidão faminta. Dá aos nossos
corações a alegria da partilha e firma-nos na
comunhão contigo, por Cristo, nosso Senhor. Amém.

Clique na opção que deseja e baixe o roteiro:

16° Domingo do TC- impressão

16° Domingo do TC- celular

COLABOREM COM A REVISTA DE LITURGIA

ASSINE, RENOVE E DIVULGUE A REVISTA DE LITURGIA!!!

Assinatura Anual Digital

Assinatura Anual Impressa

Revista de Liturgia Edição 277 – A Palavra, uma possibilidade para a Igreja

Revista de Liturgia Ed 278 – Noite pascal, por todo o ano esperada

Revista de Liturgia Edição 279 – No templo de suas casas: um povo sacerdotal

Revista de Liturgia Edição 280 – Comunhão espiritual?

O OFÍCIO DIVINO

Livro Ofício Divino das Comunidades 3ª Edição

CD Ofício Divino das Comunidades 1 a 6

Related Posts

Deixe uma resposta