Notícias

Quatro pontos significativos na vivência do Tempo Comum

COLABORE COM A REVISTA DE LITURGIA: ASSINE, RENOVE, DIVULGUE A REVISTA DE LITURGIA!

Assinatura Anual Impressa

 

O Tempo Comum começa no dia seguinte à celebração da festa do Batismo do Senhor e se estende até a terça-feira da Quaresma, inclusive. Recomeça na segunda-feira depois do domingo de Pentecostes e termina antes das I Vésperas do 1º Domingo do Advento. Dividido em dois blocos, tem duração total de 33 ou 34 semanas. Nele, somos convidados a celebrar não um acontecimento especial de nossa salvação, mas todo o mistério de Cristo em sua plenitude e globalidade. O fato de se denominar “comum” não significa  menos importante. Aliás, antes mesmo de se organizarem as festas anuais, com seus tempos de preparação e prolongamento, a Igreja já celebrava a cada domingo a Páscoa de Jesus. Todo culto tinha uma forte dimensão de expectativa da vinda do Senhor. Quando mais tarde se organizaram os ciclos da Páscoa e do Natal, era para celebrar com mais intensidade, num tempo determinado, o que já fazia parte do cotidiano das comunidades.

Vejamos quatro pontos significativos sobre o Tempo Comum:

 

SENTIDO

Para as comunidades cristãs, a páscoa é a festa maior, celebrada uma vez por ano como solenidade cósmica e universal. Sem negar o inédito da festa, o tempo comum nos desafia a impregnar desta energia pascal o ano inteiro. Cada domingo é a páscoa de cada semana que celebramos, e tem a função de nos lembrar que a vida venceu a morte e de nos tirar da monotonia do cotidiano, reacendendo em nossa vida o desejo do amor. Antes mesmo de se organizarem as festas anuais da páscoa e do natal, com seus tempos de preparação e prolongamento, como já refletimos, a Igreja já celebrava a cada domingo a páscoa de Jesus. Era fundamental neste dia, o Domingo, a reunião e a ceia em memória da morte e ressurreição do Senhor.

Assim, nos Domingos do Tempo Comum, o mistério da Páscoa do Senhor nos é revelado pelo cotidiano de sua vida: suas palavras, ensinamentos, trabalhos, amizades, sonhos, conflitos e desafios. Os primeiros Domingos têm uma ligação maior com o mistério da epifania e nos convidam a adorar o Senhor que se manifesta anunciando a sua missão e chamando os primeiros discípulos. Nos outros Domingos, fazemos memória dos fatos que marcaram a missão de Jesus. Os últimos domingos acentuam a dimensão escatológica do reino e nos renovam na esperança da vinda do Senhor.

 

DURAÇÃO

O Tempo Comum é longo e suas expressões litúrgicas são mais discretas, se comparadas às dos tempos especiais. Por isso, os ritos devem ser revestidos de permanente autenticidade para poderem ter força de novidade. Trata-se de prolongar ao longo do ano litúrgico a ternura da festa pascal, de modo que a Páscoa possa unificar todas as celebrações do ano numa mesma experiência mística do coração. Esta tarefa de “impregnar de Páscoa o ano inteiro” é mais difícil do que fazer a própria festa anual.

 

PRINCIPAIS CELEBRAÇÕES

Além dos domingos, como festa semanal, a memória da missão de Jesus cede espaço à celebração de algum mistério da vida do Senhor, de Maria e dos Santos, como é o caso do domingo da Santíssima Trindade, de Pedro e Paulo, da Assunção de Maria, da festa de Todos os Santos ou, quando coincidem com o Domingo, as festas da Apresentação e Transfiguração do Senhor, a Natividade de João Batista, a Exaltação da Santa Cruz, Nossa Senhora Aparecida e a memória dos fiéis falecidos.

Este tempo é favorável às festas dos padroeiros e outras comemorações locais. No Brasil, há os meses temáticos: mês das vocações, da bíblia, das missões. É importante que sejam incorporados na liturgia como memórias a serem celebradas, e não como temas a serem estudados ou explicados. É importante ligar a celebração semanal da Páscoa com os apelos que vêm da vida, seja da religiosidade popular, da pastoral das Igrejas ou da preocupação com a paz mundial.

 

SÍMBOLOS

O gesto simbólico maior que caracteriza o domingo como dia memorial da páscoa é sempre a reunião da comunidade em torno da palavra e da ceia. O evangelho de cada domingo, relatando um acontecimento da vida de Jesus, às vezes sugere um símbolo ou gesto simbólico que marca aquele domingo e ajuda a comunidade a guardar a Palavra no coração ao longo da semana. A cor verde caracteriza o tempo comum. O Hinário 3 da CNBB oferece um repertório significativo para a escolha das músicas de acordo com o sentido de cada domingo.

 

Enfim, o  Tempo Comum nos reconcilia com o normal e nos ajuda a descobrir o dia a dia como tempo de salvação, segundo a promessa do ressuscitado: “estarei com vocês todos os dias”. O Senhor se revela a nós nos acontecimentos do quotidiano, em nossas vivências e cansaços, na convivência, no trabalho… No interior de cada dia damos prova de nossa fidelidade. É o esforço de buscar, no cotidiano da vida, o mistério do Senhor acontecendo entre experiências de morte e ressurreição.

 

CARPANEDO, Penha; GUIMARÃES, Marcelo. Dia do Senhor – Guia para as celebrações das comunidades. Tempo Comum. São Paulo: Paulinas/Apostolado Litúrgico, 2005.

 

COLABORE COM A REVISTA DE LITURGIA:

ASSINE, RENOVE, DIVULGUE A REVISTA DE LITURGIA!

Assinatura Anual Digital

Assinatura Anual Impressa

 

Related Posts

Deixe uma resposta