Dia do Senhor

SOLENIDADE DE PENTECOSTES

Pentecostes

20 de maio de 2018
1. Aprofundando os textos bíblicos: Atos 2,1-11; Salmo 104(103); 1Coríntios 12,3b-7.12-13; João 20,19-23

A comunidade dos discípulos e discípulas está reunida no primeiro dia da semana, o Dia do Senhor (Ap 1,10), memorial da ressurreição. O dom da Paz do Ressuscitado (14,27) plenifica de vida e encoraja para
a missão, diferente da “Paz Romana”, projeto imperial firmado na violência e na intimidação. A experiência pascal faz reconhecer que o Ressuscitado é o Mestre Nazareno, cujo amor leal e solidário até o fim (13,1) gera vida nova em abundância para todos. Os sinais gloriosos nas mãos e no lado mostram a violência sofrida por Jesus na cruz. Os discípulos se alegraram por verem o Senhor, alegria que não poderá ser tirada (16,22) porque vem da ressurreição, do triunfo da vida sobre as trevas do egoísmo e da morte. Jesus, que realizou o projeto do Pai pelo Espírito de Deus (1,32-34), sopra sobre os discípulos, dizendo: Recebei o Espírito Santo. Dádiva da Páscoa de Jesus (7,37-39; 19,28-37), o Espírito anima a comunidade como na criação, quando o sopro de Deus tornou vivente o ser humano modelado da terra (Gn 2,7). Conduzidos pelo Espírito, os discípulos tornam-se instrumentos de vida e esperança para o
mundo, necessitado de perdão, misericórdia, reconciliação, paz, alegria, fraternidade. Na leitura dos Atos, os participantes da festa de Pentecostes, cinquenta dias após a Páscoa (Lv 23,15-22), ficaram cheios do Espírito Santo e começaram a falar. O salmo convida a bendizer o Senhor, que concede vida às criaturas com seu “sopro divino” e renova a face da terra. Na leitura de 1Coríntios, o amor de Deus manifestado em Cristo nos congrega para formarmos um só corpo no mesmo Espírito, na diversidade de carismas, ministérios, serviços.

2. A palavra na vida
Reunidos num só corpo, num único Espírito que sustenta a vida e a missão, peçamos confiantes a Deus que “derrame por toda a extensão do mundo os dons do Espírito Santo e realize no coração dos fiéis as maravilhas que operou no início da pregação do Evangelho” (oração do dia).

3. A palavra na celebração
O mesmo Espírito transforma o pão e o vinho nos sinais da morte e ressurreição de Cristo e faz de nós, embora muitos membros, um só corpo.

Deixe uma resposta